A alma feminina (Janice Maria de Aquino)

Que a mulher tem se destacado no mercado de trabalho, ocupando cargos e funções que em outras épocas seriam reservados apenas aos homens têm sido visível, porém ainda necessitando da igualdade salarial, agora enfim legalmente reconhecido pelo atual eleito presidente dos EUA.

Mas um fato me chamou atenção em uma passagem insólita de véspera de Natal e que tocou fundo em meu coração, talvez pela época que a meu ver seja a mais bela do ano. Por ser a mesma onde encontramos a reciprocidade da amabilidade nas atitudes das pessoas, no trabalho, nas ruas, em casa…enfim um espírito que deveria nortear todo o ano e que no entanto gastamos energia em fazer o contrário o ano todo, pois é muito mais desgastante ser uma pessoa difícil do que usar da amabilidade que só trará boas energias.

Estava eu retornando para casa feliz pelo dia de trabalho a caminho do estacionamento caminhando pela rua, quando surgiu em minha frente duas mulheres carregando pilhas de caixas, papeleiras as quais pensei o mais rápido passar por medo de que as caixas caíssem sobre mim, mas de repente o espírito de Natal tomou conta de meu coração em ver tamanha força destas mulheres e o que alimentava a energia do esforço que havia visto até então sobre ombros mais robustos e pensei que as faces deveriam demonstrar o que o corpo não transparecia.

Para meu espanto fiquei sem perceber caminhando lentamente atrás delas tentando compreender como mãos e corpos tão delicados mesmo que sofridos encontravam forças sabe-se lá de onde, se haviam feito pelo menos todas as refeições, no entanto acabar concluindo em pensamento a impossibilidade disto ter acontecido, o que daria então a estas mulheres a força de lutar pela vida mesmo em situação tão rude e pensei mais uma vez… devem ter filhos com certeza que delas dependem em um verdadeiro coração de mãe sagaz a lutar pelo bem estar, mesmo que em situações de aridez completa, coisas que apenas um sentimento feminino pode compreender pela sensibilidade mesmo lutando contra adversidades sem perder a candura.

Nestes segundos de reflexões foi que mais uma vez outra surpresa as aconteceu delicadamente abriram espaço e com tudo o cuidado inclinaram a carga para que não pudesse ter perigo de cair, para abrir passagem e um sorriso quase que ultrajante me fez deixar de julgar estas mulheres maravilhosas que mesmo com toda a dificuldade da carga que carregavam ainda eram capazes de ter em suas faces a beleza e delicadeza femininas.

Isto me faz pensar na altivez feminina na preciosidade destas mentes brilhantes em unidade a um coração pulsante cheio de energia e nas infinitas e auspiciosas possibilidades que isso possa significar e ainda conquistar.

Janice Maria de Aquino formanda em Arquitetura. Trabalha com decoração de interiores, principalmente com harmonização de espaços em ambientes profissionais, com ênfase na adequação de espaços para melhorar o desempenho do trabalhador.

Para retornar ao post central “Dia Internacional da Mulher, mais do que comemorar, devemos refletir!”, clique neste link.

Leave a Comment

Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.