Porque moro em Flores? (Por Mirela Ampezzan)

Capturar

Dando continuidade sobre o evento Planejando Flores da Cunha no qual comentei anteriormente, esta semana recebemos um artigo elaborado pela minha amiga, sim aquela que no inicio do texto do post anterior, participou junto comigo deste evento. Seu nome é Mirela Ampezzan, arquiteta formada na UFRGS, natural de Antônio Prado / RS mas morando com a sua linda família a cerca de 8 anos em Flores da Cunha / RS.

Segue abaixo o seu texto:

PORQUE MORO EM FLORES?

Sou arquiteta e moro com a minha família, em Flores da Cunha / RS faz 8 anos. Por várias vezes pensei em morar em Caxias do Sul / RS porque a maioria dos meus clientes é de lá e seria muito mais prático para mim morar na cidade vizinha.

Mas optei por “Flores”. Por quê?  Pelas vantagens de cidade pequena: o custo de vida é menor, as distâncias são menores, as pessoas se conhecem mais, as crianças tem mais autonomia, ainda podem andar sozinhas com relativa segurança. Também não é tão pequena quanto Nova Pádua / RS ou Nova Roma / RS, que oferece uma quantidade de serviços reduzida. “Flores” tem uma rede de serviços básicos razoáveis como hospital, cursos, escolas, lojas, etc. e a qualidade de vida em geral é muito boa!

Quando eu participo deste tipo de encontro, planejando a cidade para o futuro, eu penso no meu futuro aqui. Acho que brevemente terei que me mudar. Vejo as pessoas que estão lá, sinceramente, com boas intenções, querendo que a cidade cresça. Mas me pergunto sobre esta idéia de crescer indefinidamente. Vejo o grupo que elaborou as propostas do desenvolvimento sócio econômico pensando em trazer mais indústrias, com incentivos, etc.

Claro, estão pensando na arrecadação de impostos para que tenhamos recursos financeiros para realizarmos uma quantidade significativa de projetos, afinal precisamos de dinheiro prá realizar os projetos sugeridos pelo demais grupos de trabalho, por exemplo, da educação, lazer, cultura, saúde e planejamento urbano. Mas uma coisa leva a outra: mais indústrias, mais arrecadação… mas mais população, mais necessidade de aumentar os serviços nos postos de saúde, mais escolas e creches, mais loteamentos e desmatamentos, mais esgoto, mais água, mais ruas, mais , mais, mais……

Porque estas pessoas que tem o poder nas mãos, os meios de realmente mudar alguma coisa, não fazem em primeiro lugar as seguintes perguntas:

  • AONDE QUEREMOS CHEGAR?
  • O QUE QUEREMOS SER COMO CIDADE?
  • QUE TAMANHO VAMOS ATINGIR?

Eu como moradora que escolheu Flores da Cunha, não quero morar em uma cidade como Caxias do Sul, não quero que “Flores” seja grande. Prá que um crescimento em tamanho? Quero sim melhorar a qualidade da vida aqui. “Flores” não é perfeita. É um pouquinho melhor que a maioria das cidades brasileiras. Faltam praças com brinquedos seguros, com árvores de sombra, com paisagismo de bom gosto, falta lugar pras crianças brincarem, as ruas não são seguras, falta priorizar os pedestres no lugar dos carros, faltam cafés prá passear nos sábados á noite, faltam lugares pra andar de bicicleta, faltam programas culturais, falta um parque, faltam muitas coisas que vemos nas cidades européias pequenas.

Enfim vamos ter boas idéias, parar de pensar só em indústrias para conseguir arrecadação, talvez pequenos empreendimentos como turismo permanente, aproveitando a paisagem linda e a população simpática e trabalhadora. Sei lá o que mais poderia ter. Quando organizamos encontros como este: ”Planejando Flores da Cunha”, os trabalhos deveriam ser conduzidos de modo a fazer as pessoas pensarem de forma diferente, abandonarem essa visão arraigada de crescimento indefinido. Deveríamos buscar exemplos um pouco mais distantes, talvez olhar para as cidades italianas, francesas, alemãs, que querem permanecer pequenas, que tem orgulho de serem pequenas, onde isto não é sinal de atraso, mas sim de qualidade de vida.

É…dentro em breve “Flores” vai ser “grande”, como Caxias do Sul, aí terei de me mudar!

2 Responses

  1. Giovana Ulian Says:

    Acredito muitíssimo que podemos nos desenvolver, gerar mais renda, sem precisar “abrir as porteiras” para as industrias de fora. Primeiro podemos pensar no desenvolvimento das industrias locais…como? temos que pensar.
    Mas meu maior sentimento para o desenvolvimento de flores, sem necessariamente crescer em tamanho é o TURISMO especialmente o turismo rural, agroturismo, o ecoturismo e o turismo pedagógico. Está tudo praticamente pronto, basta adequarmos para algumas pousadas, restaurantes e estruturas receptivas. O turista (alguns já cansados de gramado) busca coisas simples, mas bom atendimento, bem estar. Claro que para chegarmos perto do potencial da região das hortensias temos muito para percorrer, porém é preciso começar um dia. Turismo além de tudo é ecologicamente muito mais interessante que qquer industria. Porém como promove-lo? Acredito que a unica maneira é a mobilização dos jovens, para novos negócios em suas propriedades.

  2. Giovana Ulian Says:

    Há e muito importante, turismo regional…podemos nos associar com Antônio Prado,Nova Pádua e Nova Roma do Sul e iniciarmos um novo projeto turístico. Basta saber se a população (os naturais daqui e os migrantes) é receptiva a idéia.

Leave a Comment

Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.