Há uma batalha surda nas empresas entre os que querem mudar e os que lutam para manter tudo como está. Segundo Eduardo Carmello, Diretor da Entheusiasmos, consultor e palestrante, essa luta dificulta as mudanças necessárias para que as empresas se tornem mais competitivas. Veja mais no vídeo.

Categorias: 1-Gestão Estratégica, 4-Gestão de Pessoas, Dica de Filme, Gerenciamento de Crises, Gestão por Competências, Nossas Alianças Estratégicas, Planejamento Estratégico, Posts de Hélio Rocha

Um vídeo feito para divulgar os resultados de uma pesquisa sobre a relação da geração Y com o trabalho é um dos mais compartilhados da semana. All Work and All Play (Todos Trabalham e Todos Brincam, em tradução livre) mistura imagens de filmes, infográficos e uma trilha sonora cuidadosamente escolhida para mostrar dados que levam a uma conclusão que, no fundo, a gente já sabe: só se é feliz trabalhando com o que se ama.

O vídeo é o resultado de diversos estudos realizados pela Box1824, uma empresa de pesquisas, especializada em tendências de comportamento e consumo.

Confira o vídeo clicando aqui.

Categorias: 4-Gestão de Pessoas, Buscando Talentos, Dica de Filme, Momento de Reflexão, Posts de Gislaine Angelim Barbosa, Qualidade de Vida, Retendo Talentos

CapturarTodos os produtos que consumimos e utilizamos em nossa vida afetam / influenciam as comunidades, infelizmente a maior parte longe dos nossos olhos.

A guru ambiental Annie Leonard explica como funciona o sistema linear do capitalismo, e como isso prejudica o planeta através do documentário “Story of Stuff”, traduzindo para o português seria “História das Coisas”.

“História das Coisas” revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um alerta pela urgência em criarmos um mundo mais sustentável e justo.

“História das Coisas” nos ensina muita coisa, nos faz rir, e pode mudar para sempre a forma como vemos os produtos que consumimos em nossas vidas.

Acesse o documentário completo, na versão dublada para a lingua portuguesa, através deste link.

Maiores informações sobre este projeto acesse o website oficial clicando aqui.

Categorias: Dica de Filme, Gestão Ambiental, Gestão da Responsabilidade Social, Meio ambiente, Pensamento Sistêmico, Posts de Hélio Rocha, Sustentabilidade
Nenhum comentário 27/10/2010 | Por: Hélio Rocha
Compartilhar a mesma VISÃO!

Redes SocialesEm nossos trabalhos de consultoria em Gestão Estratégica, sempre nos deparamos com a mesma realidade: os “donos” da organização não conseguem formalizar e / ou disseminar a sua VISÃO de FUTURO da sua organização para os seus gestores e demais colaboradores!

Sendo que o “segredo” é COMPARTILHAR a mesma VISÃO!

Sendo que, no nosso pronto vista, e a principal causa para que a cultura de Gestão Estratégica não se torne uma realidade nas organizações.

Recentemente, li um artigo muito bem elaborado, escrito pelo Sr. Paulo Ricardo Silva Ferreira (Clique aqui e conheça o seu perfil). O artigo foi publicado pelo Instituto Eckart com o título sugestivo de “Visão Estratégica – O entendimento”.

Convido a todos para reservarem um tempo para leitura e análise deste artigo, clicando aqui.

Também, gostaria de aproveitar a oportunidade para convidá-los a assistir o filme “A Visão de Futuro”, onde Joel Barker procura demonstrar porque devemos dedicar boa parte de nosso tempo a pensar sobre o futuro.

Maiores detalhes sobre este filme, clique aqui.

No próximo post, iremos falar um pouco mais sobre este assunto, até gostaríamos de receber os seus comentários sobre o artigo do Sr. Paulo Ricardo Silva Ferreira.

Boa leitura e análise! Aguardaremos os seus comentários!

Categorias: 1-Gestão Estratégica, Dica de Filme, Dica de Leitura, Momento de Reflexão, Planejamento Estratégico, Posts de Hélio Rocha

imagesComo já é de praxe, nós brasileiros deixamos as nossas “prioridades” para serem resolvidas no limite do prazo estabelecido! Mas com relação ao assunto de adaptar o atual sistema de gestão pela qualidade para a nova versão da ISO 9001, ou seja, a 2008, não podemos manter este péssimo hábito, concorda?

Aproveitando gostaria de publicar um post de autoria do Hayrton Rodrigues do Prado Filho, no qual ele alerta para este fato e apresenta de forma clara e objetiva quais são a principais mudanças contidas nesta nova versão, a ISO 9001:2008.

Então vamos lá … para aquelas empresas que ainda não fizerem a adaptação, estamos em contagem regressiva!

Leia mais clicando aqui »

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Dica de Filme, ISO 9001, Posts de Hélio Rocha, Upgrade da ISO 9001:2008

Dando continuidade ao post publicado pela Gislaine Argelim Barbosa (clique aqui), recebi um newsletter na SIAMAR, convidando-me para adquirir o filme “Os 5 Segredos de Comunicação que levaram Obama à Presidência”, além do filme, a SIAMAR esta oferecendo o “Manual do Instrutor” e o “Manual do Participante”, ou seja, um completo “kit”.

Assista aqui o trailler!

Interessados na compra encaminhe um e-mail para siamar@siamar.com.br ou ligue para (11) 4613 5522.

Os 5 segredos

Categorias: 4-Gestão de Pessoas, Dica de Filme, Endomarketing, Formação de Líderes, Gestão por Competências, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Hélio Rocha

Dando continuidade ao post anterior, localizamos na internet um website que compartilha um acervo de vídeos gratuitos sobre Lean Manufacturing!

A maioria dos vídeos catalogados neste website foram colocados na rede através do YouTube.

Acesse através deste link o seu conteudo!

Pedimos aos Lean Implementing, ou seja, profissionais que implementam Lean Manufacturing que compartilhem os seus conhecimentos, através de vídeos, registrando comentários neste post! Desta forma poderemos criar, de fato, uma cultura Lean!

Categorias: 2-Gestão da Produção Enxuta (Lean Manufacturing), Dica de "Website", Dica de Filme, Posts de Hélio Rocha

CapturarLocalizei um vídeo no You Tube muito esclarecedor sobre a norma ISO 27001, na realidade é um vídeo introdutório, realizado pelo Prof. Msc. Marcelo Lau, Diretor Executivo da Data Security Serviços Em Segurança de Dados Em Informática Ltda.

Segue o link deste vídeo.

Categorias: 5-Gestão da Segurança da Informação, Dica de Filme, ISO 27001, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Carlos Wagner Firpo

Poderoso chefão II

Na tentativa de realizar um trabalho tão competente e não menos impecável, Francis Ford Coppola entregou uma obra muito mais complexa, mas não abriu mão do escopo tenso e vigoroso de cenários e personagens que conquistou o mundo pela excelência apresentada na primeira parte da trilogia. A rigor, Coppola seguiu a mesma cartilha, mas inseriu fatos históricos reais e falou ainda mais sobre o amor pela família. No entanto, na arriscada opção de carregar duas histórias paralelas, apesar de acertar na montagem, Coppola deixou-as sem isometria alguma, deixando claro que teve problemas sérios com a montagem paralela.

Ademais, Coppola e companhia preparam inúmeras inovações para esta continuação do original. O diretor, por exemplo, investiu numa teia com maior número de personagens importantes, apostou novamente nas longas tomadas e ampliou o espaço de improviso do elenco. O roteiro, desta vez, tem mais o carimbo do autor do livro, Mario Puzo, do que o do próprio diretor, mas mantém a construção dramática com perfeição, arriscando-se um pouco mais ao apresentar novos personagens. O Poderoso Chefão – Parte II possui, dentre seus maiores méritos, a ousada e belíssima fotografia de Gordon Willis, novamente procurando por novas e inovadoras alternativas, criando uma atmosfera ainda mais obscura e utilizando abundantemente tomadas em contraluz.

poderoso_chefao2_02

Tudo é claramente construído com o intuito de agravar e acentuar a trajetória icônica de Michael Corleone, um verdadeiro líder de grupo, que toma conta de tudo com voz e autoridade, ganhando respeito e confiança de todos. Obviamente falamos aqui de um homem que agia fora da lei, mas que evidentemente trabalhava seguindo rigorosos códigos éticos para o bem de sua família. Fazendo uma analogia, podemos mudar a família Corleone por uma organização. Michael é o centro de tudo, o superior que dita às coordenadas do grupo. Em meio a percalços, naturais a todo tipo de trabalho coletivo, o famíia Corleone vai evoluindo em sua “missão”, munida de muita organização e empenho – claro, com medidas explicitamente incorretas.

Como todo bom líder, Michael ensina, motiva, acompanha, sugere, inspira. O líder é o parâmetro de trabalho que os elementos da equipe buscam se espelhar, e Michael Corleone desempenha uma importante função neste sentido – novamente frisando, através de métodos política e eticamente incorretos. Líder não é quem manda, é quem auxilia quem ensina sua forma de trabalho, sua visão, para que, assim, o grupo consiga se adequar.

Categorias: 4-Gestão de Pessoas, Dica de Filme, Formação de Líderes, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Pedro Henrique

ensaiosobreacegueira

Todo mundo sabe que Fernando Meirelles vem namorando a obra de Saramago desde meados de 1995. Todo mundo também sabe que, terminada a metragem da tão esperada adaptação, o tempo, com seus ensinamentos naturais, funcionou a favor do diretor da obra-prima do cinema nacional. Já com certa experiência e prestígio internacional, Meirelles teve êxito no seu projeto mais ambicioso. Cheio de arrojos e acertos visuais, Ensaio Sobre a Cegueira entra para o hall das maiores metáforas que o cinema já produziu. Calcado no premiado livro do escritor português José Saramago, o filme conta uma história sobre a sociedade em que vivemos, a maneira como ela se porta para com o próximo e, de forma crua e realista, mostra o ser humano e o seu lado animal, aquele que vive sempre à espreita.

Um retrato minucioso de um grupo de pessoas lutando por um único objetivo – neste caso a sobrevivência, mas podemos (e devemos) claramente criar um paralelo, uma linha tênue com outra situação: a de uma organização empresarial. A fome, tal como mostrada no filme, é o que impulsiona os cegos. Em uma organização, o objetivo deve ser parte do consciente coletivo, algo tratado por todos com seriedade e determinação. Com isso, tanto os cegos do filme de Meirelles quanto os trabalhadores da vida real, apostando ainda em suas mentes criativas, tendem a alcançar a plenitude. Afinal, em terra de cego quem um olho é rei.

ensaio

O livro de Saramago conseguia ser revoltante, nojento, repulsivo, incrível, chocante, absurdo, brilhante. O ávido leitor poderia sentir tudo isso e ainda se sentir reconfortado, afinal, por mais pessimistas que o livro possa ser, Saramago não deixa escapar uma mensagem de paz em seu desfecho. No longa-metragem de Fernando Meirelles há uma clara predominância do pessimismo, porém o grau de impacto não é tão forte. Apesar do diretor de O Jardineiro Fiel ter privilegiado e seguido à risca a narração, o filme ganha quando mostra a decadência e os conflitos dos cegos sem pudor, despido de qualquer senso falso-moralista (exatamente como está no livro).

A sinopse pode ser lida sem problemas já que o próprio título conta um pouco do filme. Em tempo: o filme conta a história de uma inesperada epidemia de cegueira que se passa numa cidade sem nome. Mas não estamos diante de uma cegueira comum. Os “enfermos” passam a enxergar um clarão branco “como se várias luzes fossem acesas ao mesmo tempo”, diz um personagem. A trama acompanha desde o primeiro homem a ficar cego, chegando a quarentena que é para onde os cegos são enviados. Tratados como animais e vivendo num ambiente inabitável, eles criam suas próprias regras e passam a “sobreviver”. Certo dia o sistema falha e todos saem. Para onde? Ninguém sabe…

O fato é que, dentre outras questões, Saramago discute sobre a humanidade e o coletivo – ou como o homem pode alcançar a plenitude através do trabalho em equipe e do próprio esforço. Além do mais, está em jogo e pode ser posta à prova a existência de cada um dentro de um ambiente. A lei, que diz que o mais forte sobrevive, pode ser aplicada ao coletivo – no caso de você, prezado leitor, o coletivo são seus colegas de trabalho. Juntos e preparados, obviamente uma equipe poderá render, deixando o líder satisfeito e, o grupo, também.

Categorias: Dica de Filme, Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Pedro Henrique, Psicologia Organizacional

« Posts anteriores