Monteiro Antunes

Dando continuidade ao post anterior no qual apresentamos o lançamento do website da MA Hospitalar, na semana passada, especificadamente na sexta-feira, dia 19 de novembro de 2010, o nosso cliente, a Monteiro Antunes Insumos Hospitalares LtdaMA Hospitalar inaugurou a sua nova sede em Porto Alegre / RS.

A empresa possui o seu sistema de gestão pela qualidade certificado pela RDC 59, ou seja, as Boas Práticas de Fabricação da ANVISA.

A empresa está no mercado gaúcho há 10 anos, oferecendo ao mercado soluções integradas para atender com eficiência e precisão, diferentes necessidades em equipamentos e dispositivos para Centros Cirúrgicos, Unidades de Terapia Intensiva Adulto e Neonatal, Unidades Coronarianas, Centros de Cardiologia, Clínicas e Laboratórios, Pronto-Socorros e Emergências.

Na inauguração estiveram presentes representantes das principais representadas, fornecedores e amigos da MA Hospitalar (Vide fotos abaixo).

A empresa é distribuidora dos produtos GE Healthcare da linha Devices no Rio Grande do Sul. Além do ícone que é a GE Healthcare, representa também a Covidien, com monitores de nível de consciência, Protec com dispositivos de gasoterapia, LMA com mascaras laríngeas, Geratherm com sistemas de aquecimento e a Conmed com equipamentos para eletrocirurgia.

“Ficamos lisonjeados com a presença de todos, pessoas que vieram de vários estados do Brasil com o intuito de nos prestigiar e nos parabenizar com os nossos 10 anos de existência agora em casa nova” – comentou o Sr. Fábio Hilal, Diretor da MA Hospitalar.

Desejamos sucesso para a equipe da MA Hospitalar!

Capturar

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha

Guia ISO 22000 2005 - APCERDando continuidade ao post anterior no qual informamos sobre o guia interpretativo dos requisitos da ISO 9001:2008 elaborado pela APCERAssociação Portuguesa de Certificação gostaria de informar sobre a existência, também do guia interpretativo da ISO 22000:2005.

Clique aqui e acesse o referido guia.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, APPCC, Boas Práticas de Fabricação, Dica de Leitura, ISO 22000, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Andres Lopez Lens

Dando continuidade ao post anterior (clique aqui), pois bem, temos, finalmente, um coordenador, responsável pela implantação das Boas Práticas de Fabricação. Cabe salientar que este profissional possui a responsabilidade e desta forma, precisa ter autoridade suficiente para exercer esta função, acreditamos ser de extrema valia saber transferir responsabilidade e autoridade, assunto muito pouco trabalhado nas organizações já que delegam-se inúmeras responsabilidades às pessoas sem repassar-lhes as devidas autoridades. Dilema complexo este, não?

Então, fechando o parêntese, voltemos ao assunto objeto deste texto, a formação da equipe multidisciplinar que auxiliará o coordenador nas etapas de implantação das Boas Práticas de Fabricação. Para termos sucesso na implementação, como já dissemos, precisamos ter o apoio da direção e é esta que deve, em conjunto com o coordenador, definir quais e quantos membros comporão a equipe de trabalho.

trabalho_em_equipe

Para definição de quantos indivíduos formarão a equipe é preciso levar em consideração a complexidade da organização. Podemos estabelecer um número mínimo de 3 e máximo de 7 integrantes, porém, no caso de micro-empresas, este número pode ser menor. Definido o número de integrantes, precisamos pensar nas características dos participantes, ou seja:

  • A primeira é COMPROMETIMENTO COM A QUALIDADE e logo, saberem trabalhar em grupo;
  • Serem críticos;
  • Terem profundos conhecimentos dos processos, e;
  • Terem bom relacionamento inter-pessoal e apresentarem características de liderança.

Esta equipe deve ser multidisciplinar, envolvendo representantes da produção, controle de qualidade, manutenção, vendas, compras, recursos humanos dentre outras. A multidisciplinaridade da equipe é importante para enriquecer o trabalho, diminuindo o tempo de busca de soluções e permitindo que os conceitos sejam difundidos por todos os setores da empresa, facilitando a implantação, atuando seus membros como multiplicadores. Desta forma, torna-se muito mais fácil o levantamento de questões importantes à correta implantação do programa, cumprindo o P, do ciclo PDCA (Planejar, Executar, Verificar e Agir) de maneira mais efetiva.

A equipe deve estar alinhada e, para tanto, é necessário um treinamento de nivelamento, para que todos os membros tenham a real dimensão e extensão das Boas Práticas de Fabricação e quais os objetivos da empresa com a implantação desta ferramenta. Este treinamento pode ser ministrado pelo coordenador da implantação ou pelo consultor / assessor da empresa.

Realizado o treinamento, devemos programar a frequência das reuniões que a equipe fará. Sugerimos reuniões semanais, com duração de variável, conforme as etapas a serem seguidas. É de extrema importância avaliar corretamente a frequência e duração das reuniões para evitar que se perca o interesse da equipe em sua participação, fenômeno frequentemente observado nas organizações. Ainda, por mais que se tenhamos muitas atividades a realizar, precisemos da ajuda dos membros, é comum que estes encontrem desculpas para se atrasarem ou simplesmente não comparecerem, acabando que o coordenador se torna o conhecido como “Euquipe” e a mesma figurará apenas na descrição do manual do sistema de gestão da segurança dos alimentos ou de Boas Práticas de Fabricação.

Sabemos das dificuldades que todos encontramos no dia-dia de uma organização, porém, a implantação das Boas Práticas de Fabricação deve ser encarada como mais uma delas e as reuniões da equipe devem ser encaradas com a mesma importância que a maioria das atividades que temos. Cabe ao coordenador da equipe identificar o comprometimento dos membros e, caso perceba dificuldades para conduzir as reuniões por falta de quorum, comunicar imediatamente a alta direção e que esta, tome as medidas cabíveis, demonstrando seu comprometimento com o processo. Se o coordenador não tomar esta atitude, corre o risco de perder a equipe e, por consequência, maiores dificuldades para obter sucesso esperado pela empresa. Nunca é demais lembrar, que o coordenador é o responsável pelo programa, mas não pode “carregar o piano sozinho” e, além disso, serão cobrados os resultados do seu trabalho então, no nosso ponto de vista, deve sim informar a falta de comprometimento de seus colegas à direção sem ser considerado um “dedo-duro”.

Durante as reuniões da equipe devemos manter sempre o foco evitando torna-las momentos de descontração, fofocas e, ahhhhhh…o momento das lamentações e reclamações das condições de trabalhos e discussões inúteis e troca de acusações, estes últimos os mais observados. Durante as reuniões devemos discutir as tarefas solicitadas, buscar soluções e definir os responsáveis pela implantação destas. Podemos usar este tempo para descrever os documentos requeridos pelo programa, elaborar tabelas e planilhas de controle e afins.

Na semana que vêm continuaremos esta nossa “jornada”!

Até breve!

Andres Lopez Lens

E-mail: doandres@terra.com.br

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, APPCC, Boas Práticas de Fabricação, ISO 22000, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Andres Lopez Lens

Dando continuidade ao post anterior (clique aqui), ao nos defrontarmos com as legislações, surge uma série de questionamentos referente aos motivos pelos quais devemos atender àqueles requisitos. Muito cuidado aqui, não nos cabe discutir a lei e sim cumpri-la da melhor forma possível. Cabe salientar que sugestões podem ser feitas nos momentos de consulta pública, propiciados pelos órgãos antes da publicação oficial. Outro motivo para estarmos atentos às legislações, pois das mudanças por vezes propostas, podem gerar um impacto econômico no seu negócio.

Pois bem, você, gestor da empresa, tomou a decisão de implantar as Boas Práticas de Fabricação e, sua formação profissional o habilita para tanto ou se interando do assunto, julgou ter capacidade de fazê-lo. Há uma grande possibilidade de que consiga, mas devo alertar que, sendo o gestor da empresa, é mais proveitoso que fique como apoio à implantação. Desta forma você será extremamente útil, ao passo que se colocando como responsável pelo processo de adequação, sem querer, pode iniciar uma resistência interna e ainda, devido a você ser o “cabeça” da empresa, vai faltar tempo, tendo alta probabilidade de não dar certo e, desta forma, tornar a obrigatória segunda tentativa um fracasso ou, na melhor das hipóteses alcançar sucesso depois de realizar um grande esforço pela necessidade de quebra de modelos mentais criados dentro da organização. Diante disto, o quê fazer?

Sugiro a designação de uma pessoa de confiança, que além do conhecimento técnico precisa ser:

  1. Treinado em implantação de sistemas de qualidade;
  2. Comprometido com os objetivos da organização com a implantação das Boas Práticas de Fabricação e não somente com seus objetivos profissionais ou pessoais;
  3. Capaz de fazer uma leitura sistêmica dos processos de apoio às Boas Práticas de Fabricação para que consiga sustentação interna para o sucesso;
  4. Líder e saber delegar atividades, de modo que consiga fazer da implantação uma causa de todos os colaboradores;
  5. Um bom ouvinte, possibilitando aos mais experientes, conhecedores dos processos, que exponham suas idéias e, as mais importantes, e;
  6. Paciente e focado.

Poderíamos ainda numerar algumas outras, porém, não queremos a tarefa de designar a pessoa responsável, um problema, pois deve ser o início de uma solução.

Este coordenador, será o responsável por reunir todas as informações e necessidades da organização para a implementação, desde as adequações na estrutura física externa e interna, facilidades, capacitação de colaboradores do processo produtivo e processo de apoio, processo de fabricação, layout, chegando à definição da estrutura de documentação adequada ao grau de maturidade da empresa.

É de extrema importância que, como dissemos antes, seja de confiança e para tanto, sua ligação deve ser direta com o gestor da empresa, ou como se costuma dizer, a Alta direção. Isto fará com que se evitem ou, seja mais fácil, passar por obstáculos impostos por gerentes financeiros, de produção dentre outros, que, em muitos casos, não conseguem visualizar o investimento em Boas Práticas de Fabricação como benéfico à empresa ou porque simplesmente os tira de sua zona de conforto.

trabalho_em_equipe2O contato direto com a Alta direção mantém o comprometimento da mesma e torna-se uma via de mão dupla, favorecendo o andamento do plano de ação aprovado a partir do diagnóstico inicial. Trataremos deste diagnóstico nos próximos artigos. Sugerimos que a Alta direção da empresa, em conjunto com o coordenador da implantação desenvolva um modo de divulgar o novo desafio aos colaboradores, enfatizando a importância das boas práticas para a sobrevivência da empresa.

Esta divulgação deve ser obrigatoriamente ser realizada formalmente, por uma reunião com TODOS os colaboradores, por exemplo, criando um ambiente favorável e aberto, trazendo vídeos com depoimentos de colaboradores de outras empresas, textos ou reportagens que demonstrem que os benefícios com a implantação atingem a todos em vários aspectos.

Bem, para esta semana, acreditamos ter atingido nosso objetivo. Na próxima semana, comentaremos sobre a formação da equipe de trabalho para o levantamento de necessidades e elaboração do plano de trabalho.

Até breve!

Andres Lopez Lens

E-mail: doandres@terra.com.br

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, ISO 22000, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Andres Lopez Lens

Capturar

Dando continuidade ao post anterior, no qual o nosso cliente SITMED apresentou de que forma estará participando da 17ª. HOSPITALAR, que estará acontecendo nesta semana em São Paulo / SP, segue um relato de outra empresa / cliente que também estará presente neste evento, a MA Hospitalar.

Capturar

Conversamos com o Sr. Fábio Hilal, Diretor da MA Hospitalar, com o propósito de verificar quais serão as ações / novidades que serão apresentadas, assim como quais são as expectativas desta organização para 2010-2011. Segue abaixo o registro deste diálogo:

  • De que forma a MA Hospitalar estará participando da 17ª. HOSPITALAR?

A MA Hospitalar tem em sua vocação a excelência na distribuição, para tanto estaremos juntos a nossas principais representadas para aguardar clientes, prospects e amigos. Estaremos com um grupo de cinco executivos de vendas e dois especialistas de produtos distribuídos nos stands da GE Healthcare, Covidien, ConMed / Medical Life e Protec.

  • Quais são as expectativas da MA Hospitalar para com esta feira?

A Hospitalar 2010 é o principal evento de nosso segmento, o pavilhão remodelado, a quantidade de expositores nacionais e internacionais, a qualificação cada vez maior dos visitantes e a nosso participação junto a todos as nossas representadas promove um atmosfera de prosperidade e efetivação de negócios. Acredito que teremos o melhor resultado histórico no evento! 

  • Quais são as novidades / inovações que a MA Hospitalar estará apresentando nesta feira?

Estaremos participando como expositores através das nossas representadas:

- A Protec estará trazendo para feira uma completa linha de gasoterapia remodelada e atendendo os mais altos padrões de qualidade e design;

- A GE Healthcare irá apresentar sua nova linha de monitores e equipamentos com a chancela “Healthymagination”, produtos que promovem acessibilidade por preço e forma de uso e são amigos do meio ambiente, maiores informações podem ser acessadas através deste link (clique aqui), e;

- A ConMed retorna ao Brasil com sua nova linha de Bisturis eletrônicos de alta performance. 

  • Como a MA Hospitalar esta percebendo as oportunidades para este período, no que se refere a mercado nacional e internacional?

Em um ano pós-crise econômica, as oportunidades tanto por demanda reprimida, quanto por busca de crescimento dos prestadores de serviço nos promove um otimismo impar. Também a antecipação da data corriqueira da feira irá antecipar negócios e trará um panorama de urgência para definir projetos de investimento.

Outro fator importante é o aumento de trabalhadores com carteira assinada, fruto do nosso bom momento econômico. Trabalhador com carteira assinada é sinal de acesso direto a saúde privada para ele e seus dependentes, isto está promovendo um investimento importante na infraestrutura e equipamentos de tecnologia por parte dos serviços de saúde suplementar. Tudo são boas notícias para economia de forma geral, mas principalmente na área da saúde!

Com todas estas perspectivas positivas, confirmamos os nossos investimentos para este período, vide post anterior (clique aqui).

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha, RDC 59, Textos

Na semana que vêm em São Paulo / SP, teremos mais uma feira, a 17ª. HOSPITALAR. Mais especificadamente nos dias 25, 26, 27 e 28 de maio, no Expo Center Norte.

Capturar

Nosso cliente, a SITMED estará presente neste evento como expositor, no pavilhão vermelho, rua M/N números 27/30.

Conversamos com o Sr. Miguel Mazzocco, Diretor da SITMED, com o propósito de verificar quais serão as ações / novidades que serão apresentadas, assim como quais são as expectativas desta organização para 2010-2011. Segue abaixo o registro deste diálogo.

Capturar

  • De que forma a SITMED estará participando da 17ª. HOSPITALAR?

Esse é o terceiro ano consecutivo que a Sitmed estará participando da feira Hospitalar de forma direta, sem subsídios de qualquer outra parte. Nessa edição da feira duplicamos nossa área de exposição para poder apresentar ao público praticamente toda nossa linha de produtos.

Também estaremos presentes com uma equipe de profissionais experientes e empenhados, para garantir o sucesso de nossa participação em mais uma edição da feira.

  • Quais são as expectativas da SITMED para com esta feira?

A feira é uma grande oportunidade para se aproximar dos atuais clientes da SITMED e reforçar laços comerciais e pessoais. Também é uma grande porta aberta para que possamos conhecer novas empresas e clientes em potencial, não só do mercado brasileiro, mas também de outros países, já que a mesma recebe visitantes de todo o mundo.

A expectativa em uma grande feira como a HOSPITALAR não é de fechar negócios ou aumentar a quantidade de pedidos, mas sim de iniciar e manter relações comerciais que a médio ou longo prazo tornem benéficas e lucrativas para a empresa.

Também serve para que os visitantes possam conhecer de perto nossos produtos, comprovar sua qualidade e sanar dúvidas técnicas ou de utilização dos mesmos.

  • Quais são as novidades / inovações que a SITMED estará apresentando nesta feira?

Para esta edição da feira estaremos com um stand preparado para realização de simulações com nossos equipamentos, envolvendo profissionais com experiência em procedimentos de resgate, os quais estarão demonstrando de forma prática a aplicação dos produtos.

Também estaremos apresentando uma nova linha de produtos para transporte de pacientes em salas de ressonância magnética, sendo que a SITMED é a pioneira no mercado a ter desenvolvido produtos para tal finalidade.

  • Como a SITMED esta percebendo as oportunidades para este período, no que se refere a mercado nacional e internacional?

O mercado adentrou em um período pós-crise aonde a demanda de diversos produtos aumentou e a grande maioria das empresas encontra-se com muito trabalho. Para a SITMED não é diferente, já que estamos trabalhando em vários projetos para empresas que atendem o governo brasileiro e também em exportações para clientes de diversos países.

Sempre buscamos novas oportunidades tanto para atender a demanda do mercado interno e externo, equilibrando ambos para não correr riscos de estagnação de determinado mercado e evitando baixas nas vendas devido a sazonalidade ou qualquer outro tipo de situação adversa que possa acontecer com a economia.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Certificação de Produtos pela Marcação CE – Comunidade , ISO 13485, ISO 9001, Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha, RDC 59

A partir desta post, teremos a oportunidade de ter a presença de Andres Lopes Lens com os seus artigos.

É engenheiro de alimentos, graduado pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS e auditor pelas normas ISO 9001 e ISO 22000. Atua como consultor e instrutor em Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar, com 6 anos de experiência em empresas de diversos portes e segmentos nos estados do Rio Grande do Sul e Mato Grosso.

Abaixo, segue o seu primeiro artigo:

Desmistificando as Boas Práticas de Fabricação no Segmento Alimentar – Parte 1

seguranca_alimentar_tecnoloNão é novidade a necessidade da implantação das Boas Práticas de Fabricação (BPF) pelas indústrias de alimentos e, não só pelas indústrias, mas também pelas empresas que fazem parte da cadeia de produção alimentar, partindo da produção primária, passando pela indústria de embalagens, pela produção / beneficiamento dos alimentos em si, chegando às empresas que armazenam, como centros de distribuição (C.D.), empresas que se dedicam ao transporte e distribuição e finalmente aos serviços de alimentação, que se encarregam de preparar os alimentos que chegam à mesa do consumidor.

Ampliando nosso olhar, estendemos nosso olhar às indústrias que manipulam alimentos animais destinados à alimentação humana ou não, como por exemplo, cães, gatos, peixes e afins, nossos queridos animais domésticos.

Os prazos estipulados pelas inúmeras legislações dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Saúde já estão expirados há algum tempo, porém, temos percebido, por nossa experiência, que a maioria das empresas se preocupa com esta necessidade, mais por imposição de clientes ou mercado que desejam atuar, que por cumprimento aos requisitos legais do segmento.

Há também, e não são poucos, os empresários que desconhecem as legislações do seu ramo de atuação e são pegos de surpresa quando fiscalizados pelos órgãos competentes.

O fato é que, cedo ou tarde ou, como diz um velho amigo, por amor ou pela dor, estas empresas terão que adequar-se às Boas Práticas de Fabricação (BPF), correndo o risco de ficarem fora do mercado.

Pois bem, surgiu a necessidade de implantar as BPFs, e agora, o que fazer?

O primeiro passo é conhecer a legislação que norteia as BPFs. Uma boa leitura ou releitura não faz mal a ninguém. Tudo bem concordo que pode não ser muito agradável, mas se faz necessário. Justifico a importância, destacando o fato de não ser pego de surpresa quando o consultor ou a equipe designada para a tarefa apresentar a lista de necessidades!

O próximo passo seria designar pessoas que tenham capacidade técnica para desenvolver o trabalho dentro da organização, no qual que trataremos mais adiante.

A leitura de legislações, artigos técnicos, conversas com fornecedores ou clientes fazem-se necessária para auxiliar a ampliar os horizontes sobre a importância do assunto que, mais que ser apenas uma questão de cumprimento aos requisitos legais, tem na sua essência a saúde e segurança do consumidor, tratando-se, portanto, de uma questão de saúde pública.

Vistas apenas como atendimento à legislação, as BPFs tornam-se monótonas e seus efeitos não aparecem dentro da empresa. As BPFs normalmente são vistas apenas, como um programa que deve ser implantado na produção, se encarada desta forma, seu aproveitamento e sucesso estão comprometidos, ao passo que, usada com inteligência, podemos aproveitar todo este esforço para:

  • Implantar melhorias nos processos de apoio como recursos humanos à medida que precisamos melhorar o treinamento e estabelecer requisitos de contratação;
  • No processo de aquisição pela necessidade de qualificar os fornecedores de matéria prima, embalagens e serviços;
  • No processo de comercialização dada a necessidade de estabelecer formas que permitam a rastreabilidade do produto acabado;
  • Dentro da produção, os impactos positivos passam pela otimização dos tempos para execução de tarefas pelo estabelecimento da forma correta a padronizada de executá-las, redução do desperdício de matéria-prima, insumos, embalagens e descarte dentre outros.

As BPFs são aplicáveis a qualquer nível de organização, não são e nem devem ser engessadas e, muito menos, barradas por desculpas baseadas na falta de recursos.

Ao longo dos próximos posts (clique aqui) pretendemos desmistificar as BPFs, trazendo uma visão sistêmica do como implanta-las dentro das organizações de modo a que se envolvam todos os processos das mesmas, fazendo com que saiamos das nossas “caixinhas técnicas” e possamos integrar os diversos processos das organizações. Trataremos da designação da equipe multidisciplinar, levantamento das necessidades para a implantação, treinamento dos colaboradores, estruturas de documentação, forma e linguagem dos procedimentos.

Até breve!

Andres Lopes Lens

E-mail: doandres@terra.com.br

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, ISO 22000, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Andres Lopez Lens
1 Comentário 20/01/2010 | Por: Hélio Rocha
Vocês conhecem o NOTIVISA?

Nesta segunda e terça-feira, desta semana, tivemos a oportunidade de acompanhar na Instramed, nosso cliente, a inspeção da ANVISA para renovação do certificado das Boas Práticas de Fabricação (RDC 59).

Durante os intervalos desta inspeção, um dos profissionais da ANVISA lembrou-nos da existência do NOTIVISA para utilizarmos nas notificações para a ANVISA. Sou sincero em externar a minha surpresa diante desta informação, ou seja, não tinha conhecimento deste “portal” na internet!

Capturar

Refletindo sobre este assunto, percebi que existem outras pessoas e empresas que desconhecem este assunto, também! Logo estou aproveitando este post para disseminar este “canal de comunicação” com a ANVISA. Qualquer pessoa pode fazer uso do NOTIVISA, inclusive nós … cidadões!

Mas vamos então explicar o que é o NOTIVISA. É um sistema informatizado na plataforma web para receber as notificações de:

  • Eventos Adversos (EA): entendido como qualquer efeito não desejado, em humanos, decorrente do uso de produtos sob vigilância sanitária, e;
  • Queixas Técnicas (QT): entendida como qualquer notificação de suspeita de alteração / irregularidade de um produto / empresa relacionada a aspectos técnicos ou legais, e que poderá ou não causar dano à saúde individual e coletiva.

Estas notificações devem estar relacionados com os produtos sob vigilância sanitária, abaixo listados:

  • Medicamentos;
  • Vacinas e Imunoglobulinas;
  • Pesquisas Clínicas;
  • Artigos Médico-Hospitalares;
  • Equipamento Médico-Hospitalar;
  • Kit Reagente para Diagnóstico In Vitro;
  • Cosméticos, Produtos de Higiene Pessoal ou Perfume;
  • Uso de Sangue ou Componentes;
  • Saneantes, e;
  • Agrotóxicos.

Para buscar maiores informações sobre o NOTIVISA, clique aqui!

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Dica de "Website", Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha, RDC 59

servicosdes2Dando continuidade ao post anterior (clique aqui) no qual apresentamos “passo-a-passo” para implementar as exigências contidas na RDC 59/2000 a fim de que a empresa interessada possa solicitar a inspeção da ANVISA, solicitando a certificação de Boas Práticas de Fabricação.

Neste post iremos mostrar que é possível integralizar as exigências da RDC 59/2000 com os requisitos das normas ISO 9001 e ISO 13485. Localizamos um artigo na rede que apresenta as principais características da adoção dos programas de melhoria da qualidade nas empresas brasileiras do setor de equipamentos médicos.

Neste artigo foi realizado um estudo em uma empresa fabricante da máquina de circulação extracorpórea, que no Brasil representa 33% das organizações que produzem o referido equipamento. Os resultados obtidos apontam para a obtenção de  melhorias e também do cumprimento da legislação brasileira para o setor.

O artigo foi coordenado pela Profa. Silvia Helena Boarin Pinto (clique aqui para ver o CV desta profissional).

Clique aqui e acesse o artigo na íntegra.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Dica de Leitura, ISO 13485, ISO 9001, Posts de Hélio Rocha

Já está no ar o novo Manual para Regularização de Equipamentos Médicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O guia, dirigido aos fabricantes e importadores de equipamentos médicos, facilita a elaboração do processo para solicitação de registro e cadastro desses produtos junto a ANVISA.

O manual reúne todas as legislações sanitárias e regulamentos técnicos envolvidos no processo de regularização de equipamentos médicos. O material de orientação apresenta, ainda, a interpretação de cada uma dessas normas e faz a correlação entre elas. Com esse guia, a ANVISA espera que as petições para regularização desses produtos sejam apresentadas com mais informações. Isso vai reduzir a necessidade de formulação de exigências para adequações processuais e agilizará os procedimentos da ANVISA.

Clique neste link para acessar na integra este documento.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Boas Práticas de Fabricação, Certificação de Produtos, Dica de Leitura, Posts de Hélio Rocha, RDC 59

« Posts anteriores