Modelos-de-Cronograma-Fisico-Financeiro-ISO-9001-x-Processos-300x212Nada como iniciar o ano com uma meta audaciosa, tanto para nós, pessoas, como para a empresa no qual trabalhamos e que queremos também o seu bem!

Dando sequencia a série de posts que recentemente publicamos sobre este assunto, clique aqui para acessar estes artigos.

Para auxiliar neste planejamento, estamos disponibilizando neste post um modelo de cronograma físico e também financeiro com o objetivo de no final de 2013 conseguir a certificação ISO 9001 da empresa no qual esteja trabalhando!

Neste modelo, vocês terão todas as ações necessárias para conseguir criar uma cultura de melhoria contínua!

Os investimentos citados ao longo deste modelo de cronograma seriam para a consultoria, incluindo treinamentos que julgamos em nossa experiência de 16 anos de trabalhos, os mínimos necessários! Não estamos considerando as despesas de deslocamento / hospedagem / alimentação / impostos neste modelo de cronograma.

À título de planejamento orçamentário, devemos também considerar os investimentos necessários em melhorias nas infraestruturas, assim como por exemplo, calibrações em equipamentos de medição e monitoramento. Devemos considerar os investimentos para a realização da Pré-Auditoria e Auditoria de Certificação com o Organismo Certificador que a empresa considere o mais adequado para ser parceiro em um contrato de 3 anos!

Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos sobre as diversas ações contidas neste modelo de cronograma!

Clique aqui para realizar o download do cronograma.

Feliz 2013, com muita prosperidade e lucratividade!

Categorias: 1-Gestão Estratégica, 3-Gestão pela Qualidade, Gestão por Processos, ISO 19011, ISO 9001, ISO 9004, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Organismos Certificadores, Posts de Hélio Rocha

files_4159_201112200225596a63Objetivos inalcançáveis, prazos exíguos, escopo amplo ou impossibilidade de medi-las podem desmotivar os colaboradores.
O mundo corporativo já entrou em contagem regressiva, faltando menos de uma semana para as festas de final de ano. Grande parte das empresas costuma programar férias coletivas neste período, época em que quase nada se decide no campo dos negócios. Apesar do marasmo, aproveite para definir os principais objetivos a você e sua equipe para o próximo ano.

Praticamente todas as firmas utilizam metas para medir o desempenho de departamentos e colaboradores, independentemente do nível hierárquico e função. Ao topo da pirâmide temas mais abrangentes, estratégicos e de longo prazo. Já para a base, ações táticas e de curto prazo. Operacionalizá-las é função do corpo gerencial, localizados no meio da figura.
Apesar de simples, estabelecê-las esconde alguns segredos. Objetivos inalcançáveis, prazos exíguos, escopo amplo ou impossibilidade de medi-las podem desmotivar os colaboradores. Aprecio a técnica SMART, a qual menciona que as metas devem ser específicas, mensuráveis, atingíveis, realistas e tangíveis, já traduzidas para o português.
Vejamos:

  • Específicas: aumentar o market share, reduzir a inadimplência ou penetrar um novo mercado são metas interessantes, porém muito gerais. Para torná-las menos genéricas é necessário um maior nível de detalhamento. Conquistar dois pontos de market share no mercado carioca, através da penetração na classe A da zona sul , por exemplo, seria algo bem mais específico.
  • Mensurável: ainda na mesma linha, é necessário medir os dois pontos de market share obtidos, sejam eles em unidades físicas, monetárias ou margens de contribuição. Caso contrário, um vendedor poderia conquistá-lo oferecendo grandes descontos, comprometendo a lucratividade.
  • Atingível: imagine um novo entrante no setor de bebidas, cuja meta seja obter metade do mercado da Coca-Cola. Apesar de desafiadora é na prática inatingível, mesmo que pertença a um grupo com grande poderio financeiro. O feitiço neste caso virará contra o feiticeiro, arrefecendo os ânimos dos envolvidos num curto período de tempo.
  • Realista: algumas multinacionais têm sofrido deste mal após 2008. Com os mercados maduros em queda, executivos globais recorrem aos emergentes para cobri-los. É comum aplicar taxas de crescimento chinesas à filiais brasileiras, ao mesmo tempo em que se solicitam margens de lucro cada vez mais elevadas. São as conhecidas metas para inglês ver.
  • Tangíveis: aqui entra o critério tempo, em meu ponto de vista o corolário de todos os anteriores. Um prazo muito curto pode desmotivar os envolvidos pela impossibilidade de cumprimento, enquanto sua falta pode levar a acomodação. O governo brasileiro é mestre neste quesito, aplicando-os em suas duas vertentes.

Em minha experiência pude verificar que alguns gestores têm dificuldade em utilizar o critério SMART, criando metas muito amplas, fracas ou inatingíveis, as quais não contribuem para o resultado da empresa. Sugiro que comece aplicando-o ainda neste ano, revisando as metas estabelecidas. Talvez seja um bom programa aos que ficarão de castigo, nesta época de telefones mudos.

Categorias: 1-Gestão Estratégica, 3-Gestão pela Qualidade, Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), Dica de Leitura, Gestão Financeira, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Planejamento Estratégico, Planejamento Pessoal / Profissional, Posts de Hélio Rocha

Dando continuidade ao post anteriormente publicado sobre o uso de Mapas Mentais, recentemente tive a oportunidade de ler um artigo do Clay Susini, (clique aqui para conhecer este profissional).

Neste artigo, Clay Susini inicia fazendo um paralelo com a vida do escritor e poeta alemão Charles Bukowsky, no qual demonstra a sua preocupação, para não dizer angustia de não entender uma “ideia” e o risco no mundo corporativo em não conseguir apresentar uma “ideia” tanto para o emissor, quanto para o receptor da informação. Sendo que as chances perdidas são de igual intensidade para os líderes como para os seus liderados (funcionários).

A ideia desorganizada pode demonstrar falta de inteligência, infelizmente!

Mas o principal deste artigo, do Clay Susini é a sua perspicácia em demonstrar o uso de Mapas Mentais como uma das melhores formas de organizar as ideias.

Acesse a partir deste link, o referido artigo.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Dica de Leitura, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Mapas Mentais, Posts de Hélio Rocha

humantargetwebDando continuidade ao post que publicamos sobre as verdadeiras atribuições de um Gestor da Qualidade, hoje li um artigo muito bem elaborado do meu colega e amigo, o Ronaldo Costa Rodrigues, falando sobre as competências que um Líder de Grupo Gestor / Comitê da Qualidade deve possuir.

Segue o link deste artigo.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Dica de Leitura, ISO 9001, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Hélio Rocha

Capturar1Capturar2Capturar3

Na semana passada, concluímos em um dos nossos clientes, a Sildre Plásticos e Matrizes Ltda, a proposta de um programa de idéias!

Vocês sabem qual o objetivo de um programa de idéias? Basicamente é um dos diversos programas participativos que propiciam e incentivam a participação dos colaboradores nas decisões da empresa e a conseqüente capacitação profissional por meio do desenvolvimento de trabalhos individuais ou em equipe, sugestões de melhorias e indicação de novos negócios. Cada programa tem as suas diretrizes próprias, alinhadas com a Filosofia Empresarial da empresa, ou seja, Negócio, Visão, Missão, Valores e Princípios.

Nesta empresa, a Sildre apresentamos, inicialmente, uma proposta de participação individual, ou seja, cada colaborador apresenta uma idéia, desenvolve e implementa sem o envolvimento de outras pessoas. Esse é considerado o primeiro estágio para trabalhos em equipe, por exemplo, Círculos da Qualidade e / ou Grupos de Melhorias. O processo tem que ser gradativo, principalmente em organizações no qual ainda não existe cultura de incentivo a idéias.

Sempre é bom e “estratégico” criar um “nome fantasia” para estes programas, de tal forma que provoque a participação, no caso deste nosso cliente o nome será “Programa de Idéias Criativas” com a sigla PIC! Já presenciei outros nomes fantasias, por exemplo, “Você Resolve” do Grupo Delga, clique aqui e leia um dos informativos relatando os resultados deste programa.

A proposta do Programa de Idéias Criativas, o PIC é de incentivar os colaboradores da Sildre a apresentar idéias de melhorias de serviços, processos ou local de trabalho, premiando aqueles que contribuam, para reforçar a capacidade competitiva da Sildre e principalmente promovendo o desenvolvimento profissional da força de trabalho da organização.

O prêmio às idéias mais criativas aprovadas será pago em dinheiro.

Segue a seguir os principais documentos que elaboramos para que a Sildre obtenha sucesso com o PIC:

  • Regulamento do Programa de Idéias Criativas (clique aqui);
  • Cartaz do Programa de Idéias Criativas (clique aqui), e;
  • Formulário Minha Idéia Criativa (clique aqui).

Veja a seguir, os principais benefícios para a organização e para os funcionários em implementar este tipo de programa participativo:

Organização

Funcionários

  • Promove a redução de custos;
  • Aumenta a motivação ao desenvolvimento de novos processos, produtos e serviços;
  • Possibilita identificar os talentos da organização;
    Propicia a melhoria da produtividade e qualidade;
  • Melhora o clima organizacional;
  • Soluciona os problemas;
  • Melhora e agiliza os processos internos;
  • Cria um ambiente e uma cultura propícios à criatividade, e;
  • Aumenta a participação e o comprometimento dos colaboradores na solução de problemas.
  • Aumenta a motivação;
  • Amplia o espírito de equipe e o relacionamento entre os colaboradores;
  • Possibilita o reconhecimento do potencial dos colaboradores;
  • Propicia ganhos financeiros através de prêmios;
  • Possibilita pensar e não apenas fazer;
  • Aumenta a percepção;
  • Promove o auto-desenvolvimento e criatividade, e;
  • Melhora as condições de trabalho por meio da otimização dos processos.

Estaremos em outros posts, apresentando maiores detalhes sobre estes programas participativos!

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha

CapturarAlgumas vezes, em minhas consultorias, os meus contatos / representantes dos clientes, me questionam sobre qual seria o perfil / competências adequados para o responsável pelo Sistema de Gestão pela Qualidade, ou seja, o Gestor da Qualidade. Recentemente li um artigo do meu colega Ronaldo Costa Rodrigues no qual faz analogia com um preparo de uma comida, um “prato” especial, achei muito boa a abordagem!

Segue o link do artigo!

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, 4-Gestão de Pessoas, Buscando Talentos, Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), Dica de Leitura, Formação de Auditores Internos, Formação de Líderes, Gestão por Competências, Gestão por Processos, ISO 9001, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Posts de Hélio Rocha, Programa 5 S, Programa 8 S

Neste sábado, dia 03/10/09, concluímos a 1ª. fase da qualificação de cerca de 25 colaboradores da Sildre Plásticos e Matrizes, nosso cliente, nos conceitos da MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas).

Foto do Treinamento de MASP - Set e Out 09

Em três encontros, ou seja, nos sábados pela manha, com uma carga horária total de 12 horas, apresentamos os conceitos de Problemas (Efeitos, Perdas e Causas), o mecanismos mental do Sentir, Pensar e Agir, e o uso das Ferramentas para o Aprimoramento da Qualidade (FAQ´s). Através de exercícios práticos, os participantes tiveram a oportunidade de compreender a importância destes assuntos na detecção, análise e solução dos problemas da rotina do dia-a-dia.

Desejamos sucesso à todos os participantes deste treinamento / aprendizado!

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha

Recebi, através do newsletter do site www.administradores.com.br, um “convite” de leitura de um artigo no qual estava aguardando, pois “a coincidência” sempre me ajudou! Neste final de semana que passou, mais precisamente neste sábado, iniciei um treinamento / aprendizado de MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas) em um dos nossos clientes, a Sildre Plásticos e Matrizes Ltda, e no primeiro módulo apresentei a necessidade de controlarmos as nossas emoções quando da iminência de um problema (anomalia e/ou crônico), sendo que temos que nos disciplinar, a partir da detecção de um problema, em:

  • Sentir, ou seja, perceber o problema;
  • Pensar, ou seja, raciocinar diante de um problema, e;
  • Agir, ou seja, ter atitude diante de um problema.

Obrigatoriamente nesta ordem!

Pois bem, vamos voltar ao artigo, elaborado pelo Bem Bryant, diretor do programa Mobilizing People (MP) e leciona no programa Orchestrating Winning Performance (OWP), no IMD. Neste artigo cujo título é “Seis pilares para lidar com suas emoções”, ele explica como lidar com emoções no ambiente de trabalho, utilizando-se da analogia de seis pilares que irão sustentar o nosso equilíbrio emocional, diante de momentos de stress / crise em nossas relações profissionais:

Apresentação1

Segue um link para que possam acessar o referido artigo.

Desejamos a todos uma excelente reflexão sobre este assunto!

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), Dica de Leitura, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Momento de Reflexão, Nossos Clientes, Posts de Hélio Rocha, Psicologia Organizacional

Hoje recebi um e-mail no qual achei muito interessante, comentando sobre como combater a falta de iniciativa!

Segue a abaixo o seu conteúdo na íntegra:

Há 25 anos atrás, quando saí de Brasília e fui fazer Universidade no Rio de Janeiro, meu pai me enviava pelo correio, periodicamente, um artigo chamado “Uma Mensagem a Garcia” – clique neste link”. A essência desse texto é “pegar uma missão e resolver, voltando somente quando ela estiver cumprida”. Numa época que não existia internet, esse texto vendeu milhões de cópias impressas e rodou o mundo inteiro. Pegamos esse mesmo artigo, adaptamos às situações empresariais e gravamos o vídeo “Combatendo a Falta de Iniciativa”. Em pouco tempo ele se tornou o vídeo mais vendido da Link Quality com milhares de cópias vendidas.

Hoje, toda vez que passo uma tarefa para alguém fazer e vejo que ela está desistindo frente aos primeiros obstáculos, levanto da minha mesa, vou na prateleira de filmes, pego o vídeo “Combatendo a Falta de Iniciativa” e peço para ela assistir. Alguns, como já são reincidentes, apenas riem porque já conhecem o conteúdo e falam “deixa comigo”, já entendi e vou resolver.

Seguindo essa linha de trabalhar a atitude dos colaboradores, gravamos também o vídeoComo ser útil para a empresa fazendo mais do que o feijão com arroz, mostrando que, além das qualidades técnicas, as pessoas devem se diferenciar pelas suas qualidades humanas. O outro vídeo, “Grupo dos 5% – fazendo a diferença”, mostra que, se não tentarmos ser especiais em tudo que fazemos, se não tentarmos fazer tudo da melhor maneira possível, seguramente SOBRAREMOS NA TURMA DO RESTO.

É de gente com Atitude que precisamos nas nossas empresas. Se você não tem, eduque-os, assim como meu pai fez comigo e eu faço com as pessoas que me cercam.

Para assistir os trailers desses vídeos e fazer a sua compra clique neste link.

Capturar

Obrigado e sucesso

Paulo Sauerbronn

Sócio-Diretor da Link Quality Vídeos de Treinamento

www.linkquality.com.br

Categorias: 1-Gestão Estratégica, 3-Gestão pela Qualidade, 4-Gestão de Pessoas, Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), Dica de Filme, Formação de Líderes, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Momento de Reflexão, Planejamento Pessoal / Profissional, Posts de Hélio Rocha, Psicologia Organizacional

jorge gerdau

Dando continuidade ao que comentamos no post anterior sobre a importância da auto-disciplina, recebi um newsletter da Revista Amanhã, ou seja, do Portal Amanhã, convidando-me a ler o artigo no qual o Sr. Jorge Gerdau recomenda uma re-análise do Ciclo PDCA, enfocando como as empresas do Grupo Gerdau no atual momento de crise mundial, utilizaram-se desta filosofia, deste “esforço” de manter foco nos objetivos traçados usando a filosofia do Ciclo PDCA com muita … muita e muita disciplina. No “frigir dos ovos”, criando uma cultura de Auto-disciplina. O próprio Programa 5S ou 8S cita que na sua aplicação que o resultado final não é a disciplina e sim a auto-disciplina!

Como conseguir com que os colaboradores adquiram esta atitude de auto-disciplina? Criando todo o dia o exercício do “sentir, pensar e agir” diante de um problema significativo!

Segue o link do artigo que senti, analisei e agi:

Jorge Gerdau recomenda: “Disciplina, disciplina e disciplina”

E você aplica auto-disciplina em suas organizações?

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Dica de Leitura, MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas), Momento de Reflexão, PGQP, Posts de Hélio Rocha, Programa 5 S, Programa 8 S, Quali Mato Grosso

« Posts anteriores