Nenhum comentário 21/12/2010 | Por: Patrícia Prigol
Viva Bem! (Por Patrícia Prigol)

Tulips

PLANEJANDO 2011

Como sobreviver a esta Selva chamada Modernidade:

1. Manter atividade física regular: se na sua rotina você ainda não incluiu uma atividade física regular, comece o ano realizando um bom check-up. Você pode começar com uma consulta ao médico (especialista) em busca de uma avaliação da sua condição física. Não esqueça os testes de resistência e a avaliação cardiológica para introduzir uma atividade física que melhor se adapte as suas necessidades. E, fundamentalmente, não se esqueça de considerar seus gostos e interesses na hora de decidir qual atividade física você irá escolher. Lembre-se que corpo e mente deve estar em sintonia, caso contrário, você não sustentará a atividade contratada.

2. Introduzir técnicas de relaxamento diário: procure intercalar a atividade física com atividades de relaxamento. Lembre-se: o cérebro precisa descansar. Para tanto é fundamental alongar o corpo e a mente diariamente. Alongar a mente? Sim, sua mente também precisa de descanso e relaxamento! Pratique diariamente, se possível, meditação ou alguma atividade que auxilie a relaxar e limpar sua mente dos pensamentos e das preocupações diárias. Esse exercício deve durar, pelo menos, 20 minutos.

3. Renovar as energias: Colocar corpo, cérebro e mente para descansar e “recarregar as baterias” significa ter o direito de tirar uma boa soneca de, no máximo, 30 minutos durante o dia, preferencialmente após o almoço. É excelente para uma boa digestão e revigora suas forças para a segunda e a terceira parte do dia. Procure um ambiente acolhedor para lhe ofertar o descanso necessário. As empresas modernas já disponibilizam aos seus funcionários essa ambiência. Algumas introduzem, nesse espaço, atividades como: massagens relaxantes, alongamento ou técnicas de respiração. Se o seu ambiente de trabalho não oferece essas condições, leve um colchonete e um travesseiro para um espaço privativo. E relaxe! Serão 30 minutos do seu intervalo de almoço que, com certeza, repercutirá em ótimo desempenho na segunda parte do dia. Leia mais clicando aqui »

Categorias: Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

sindromeSegundo pesquisa realizada pela International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), associação internacional que estuda métodos de prevenir e tratar o estresse, cerca de 35% dos trabalhadores evidenciam dificuldades de adaptação ao trabalho quando regressam de suas férias.

É esperado que nos primeiros dez dias, após o período das férias, algum desconforto ou algum grau de dificuldade de adaptação à rotina se mostre. Para Madalena Lobo, psicóloga clínica especializada em perturbações de ansiedade, esta síndrome, é, no fundo, uma “versão mais alargada da sensação que as pessoas sentem Domingo à noite, de ter que voltar ao trabalho”.

Nesse período, algumas ações específicas podem auxiliar o relógio biológico a voltar a funcionar de acordo com a programação. Depois do período de adaptação, se o desconforto persistir, é indicado procurar um especialista.

Os sintomas que caracterizam a síndrome pós-férias são: irritação, agressividade, ansiedade, tristeza, desmotivação, cansaço, insônia e falta de concentração. Algumas pesquisas revelam que as pessoas com menos de 40 anos são mais suscetíveis à síndrome.

Para evitar maiores desconfortos é importante planejar a volta das férias. Portanto, a volta das férias deve ser gradativa para que a pessoa possa adaptar-se à nova rotina. É bom lembrar que o organismo, quando entra em férias, tende a obedecer ao máximo o seu próprio ritmo. E todos nós temos um ritmo peculiar. Em férias, o relógio biológico reorganiza suas funções de sono e de secreção de hormônios, entre outras, daí a melhora no bem-estar. Ao voltar para o trabalho, ou para a rotina, o corpo sente a mudança e responde acentuando diversos tipos de mal-estar, caracterizando um quadro de estresse.

Do ponto de vista da Psicologia, as férias sevem também como um período de reorganização da vida da pessoa. Algumas expectativas podem ser levantadas nesse momento. No entanto, nem todas as pessoas conseguem, de fato, colocar em prática o que se propuseram no período de férias, o que pode trazer frustração e ansiedade ao mínimo contato com a realidade.

Assim, o impacto da volta das férias pode ser positivo ou negativo. Depende muito do modo como cada pessoa encara a sua realidade. Se a pessoa está satisfeita com o seu trabalho, se encontra realização e gratificação no que faz, provavelmente não sofrerá tanto no período de adaptação à rotina. Seu desconforto poderá, então, recair sobre outras áreas que – com o trabalho – serão restringidas. É provável que o tempo com os amigos seja reduzido ao retornar das férias, assim como o prazer que a pessoa experimentou nas suas relações sociais. Prá isso algum ajuste será necessário. Ao retornar das férias, aumentar os encontros com os amigos e momentos em família pode ser ou representar uma boa saída nos primeiros dias de trabalho, até acostumar-se com o ritmo normal. Além disso, a partilha das aventuras com os amigos é um “ritual de transição” que ajuda a atenuar a síndrome pós-férias. Quando se regressa, não se aterrissa imediatamente na realidade.

Para sofrer menos na volta das férias:

  • Procure não retornar das férias às vésperas do trabalho ou das aulas.
  • Tente adaptar seu organismo ao novo padrão, tentando, por exemplo, dormir uma hora mais cedo.
  • Mudar os hábitos de alimentação e integrar uma atividade física regular pode ajudar muito a combater os sintomas da síndrome.
  • Evitar longas jornadas de trabalho.
  • Se sentir falta de apetite no horário tradicional das refeições, faça um lanche mais leve, mas não deixe de se alimentar.
  • Tente encontrar novas motivações no seu trabalho e em outras áreas de sua vida.
  • Mesmo que tenha poucas horas de lazer, aproveite bem. Leia vá ao cinema, pedale ou saia com os amigos.

O tratamento para a síndrome pós-férias: quando a pessoa não consegue, por conta própria, a adaptação necessária, muitas vezes é imprescindível procurar ajuda médica. O tratamento pode ser administrado com o uso de antidepressivos e ansiolíticos. Se precisar, procure ajuda médica e psicológica. A sua saúde agradece e o bom convívio com os colegas, a família e os amigos também!

Patrícia Luiza Prigol

Psicóloga Clínica

CRP 07/08744

Categorias: Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

man_woman_242421

Sem sombra de dúvida, está havendo uma significativa mudança nos papéis desempenhados pelo homem e pela mulher na vigência do matrimônio ou na vigência de uma sociedade afetiva.

Nos últimos tempos, percebemos, notoriamente, a evolução da sociedade na revisão de atribuições e conceitos delegados ao homem e à mulher, a começar pela “instituição casamento”. Atualmente são várias as configurações familiares apresentadas em nossa sociedade. À exemplo: casais que se formam a partir de um ou mais divórcios incluindo filhos destas relações; casais, homossexuais, que adotam crianças ou que estão concebendo filhos biológicos através de métodos de fertilização; homens e mulheres que firmam uma sociedade afetiva (e/ ou um compromisso real pelo vínculo estabelecido), porém, que preferem morar em casas separadas preservando, contudo, a individualidade de cada um e a permanência da imprevisibilidade na relação; enfim, são inúmeras as configurações familiares que atualmente a sociedade nos apresenta.

Embora algumas pessoas pensem o contrário, observamos, frequentemente, a busca de maior autenticidade nas relações e vínculos firmados. Estes, baseados no sentimento e no desejo genuíno de uma vida conjugal e familiar alicerçda na realização afetiva ou, em outros termos, no amor e na reciprocidade de sentimentos e objetivos pessoais comuns ao casal.

Com a inclusão da mulher no mundo do trabalho e a sua contínua luta para que direitos iguais sejam assegurados, a relação conjugal, na sua formatação anterior, vem sofrendo significativas mudanças em seu conceito e um novo olhar para a relação homem-mulher se fizeram em nosso meio. A própria Psicanálise precisou rever sua teoria a respeito do vínculo mãe-filho e o desempenho da função parental na vida da criança a partir desta nova concepção. 

Para a Psicanálise, independentemente da configuração familiar, o que realmente importa é que os papéis de homem e de mulher, de pai e de mãe se mostrem bem definidos no contexto familiar, ou seja, que a individualidade de todos seja preservada para que todas as funções esperadas na família possam ser desempenhadas de um modo claro e efetivo. Portanto, não nos preocupamos com o gênero masculino e feminino, damos importância para o desempenho da função paterna e materna, mesmo que sejam dois homens ou duas mulheres desempenhando as funções de pai e de mãe.

Não há mais lugar em nossa sociedade os casamentos fundamentados em relações aparentes ou superficiais, alimentados apenas por representações sociais.  O lugar conquistado pela mulher na sociedade contemporânea mudou as bases do contrato afetivo. Passando a prover suas necessidades básicas, a mulher deixou de valorizar tão somente o homem-provedor, promovendo uma mudança radical na relação homem-mulher. O homem-provedor é artigo de luxo ou um “artigo em extinção”. 

Este novo papel da mulher, segundo o psicanalista David Zimerman, contribuiu fundamentalmente para que o homem colaborasse mais intimamente com algumas tarefas domésticas; com uma atitude de partilhar com a companheira problemas, projetos e decisões; com um convívio mais próximo e intenso com os filhos e como um novo modelo de identificação que vai além daquele papel do “machão autoritário” ou do homem-provedor que atendia apenas as necessidades básicas de sua família.

Ao contrário da mentalidade arcaica e primitiva, que em algum segmento da nossa sociedade ainda reside, essa nova concepção de relacionamento homem-mulher permite que as pessoas sejam mais e não menos. E que as relações perdurem por mais tempo nas bases de um relacionamento funcional.

Patrícia Luiza Prigol – patricia_prigol@pop.com.br

Psicóloga Clínica

CRP 07/08744

Categorias: Gestão Feminina, Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Qualidade de Vida

Não há mais como negar esta realidade se considerarmos que o envelhecimento é um fenômeno mundial que vem acontecendo nos últimos trinta anos. No Brasil, segundo a projeção estatística da Organização Mundial da Saúde, entre 1950 e 2025 a população de idoso crescerá dezesseis vezes contra cinco da população total. A proporção de idosos passará de 7,5% em 1991 para cerca de 15% em 2025, que é a mesma proporção dos países europeus. Com este aumento o Brasil estará, em termos absolutos, com a sexta população de idoso do mundo. Neste sentido, não há outra saída para a sociedade a não ser apreender uma nova linguagem que possa incluir as pessoas da maturidade (ainda denominadas “Terceira Idade”) no mercado de trabalho, nas atividades sociais e no convívio das famílias. O “velho” de antigamente não é mais o velho de hoje que, inclusive, em muitos casos, serve de exemplo de qualidade de vida e produtividade repercutindo consideravelmente no PIB (produto interno bruto) do nosso país.

Uma sociedade que se encaminha para o envelhecimento deve aprender a se relacionar com o idoso. A convivência dos jovens com pessoas da terceira idade também pode contribuir muito no processo da inclusão. A criança de hoje, logo, será o idoso de amanhã! Comprovamos uma mudança nesta direção: a terceira idade está muito mais atenta aos movimentos sociais e as mudanças que ocorrem na atualidade. Os idosos de hoje são adeptos às inovações que os jovens propõe e não ficam constrangidos ao se matricularem, por exemplo, num curso pré-vestibular ou ingressar na Universidade, ainda que seja a da “Terceira Idade!” Buscam a realização de sonhos e desejos que foram substituídos por outras necessidades num dado momento de suas vidas. Participam também de eventos e apresentações que os jovens apreciam. Portanto, não existe mais esta separação: o que faz parte do “mundo dos jovens” e o que faz parte do “mundo da terceira idade”. Não raro encontramos pessoas muito jovens que apresentam um perfil psicológico enraizado no “velho dos anos 50”. Estamos falando de horizontalidade nesta questão da inclusão e não mais de verticalidade.

Os mais sábios, na “Idade da Maturidade”, desenvolvem uma habilidade ímpar de “escuta” e um “olhar’ curioso a respeito do que se passa ao seu redor. Tendem a ampliar as relações que estabelecem e os limites do espaço que ocupam na vida. São estes espíritos desbravadores que tendem a viver mais e melhor. Eles chegam à maturidade com o espírito da juventude!

fotoTerceiraIdade11e_terceira-idade_g

Podemos dizer que não existem ocupações específicas para o “idoso’ na contemporaneidade. Não há limites neste aspecto, a não ser àquilo que, por orientação médica, em função de suas condições físicas e psicológicas, lhe for sugerido. A agenda dessas pessoas é, na maior parte das vezes, mais cheia do que a de um adulto na fase do empreendimento. Eles fazem atividades físicas, dançam, participam de eventos culturais (sendo eles os protagonistas), trabalham de forma remunerada, estudam, se separam, casam de novo e, alguns, ainda têm filhos na maturidade. É preciso mudar a mentalidade da nossa sociedade. O velho de hoje não vem acompanhado da “cadeira do vovô”, da bengala que o limitava a sair de casa (por vergonha!), das roupas escuras e fechadas até o pescoço esperando a morte chegar! Hoje, as pessoas da maturidade ainda trabalham, estudam, se divertem e fazem sexo. Através desses bons exemplos preparamos nossos jovens e nossa sociedade para uma nova identidade social: a da integralidade por meio da inclusão e não mais da divisão ou separação por meio da discriminação e do preconceito.

Categorias: Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Qualidade de Vida

O fenômeno da Identificação é considerado um conceito de especial importância na psicanálise, porque, por meio dele, o sujeito se constitui e se transforma, assimilando parcial ou totalmente os aspectos, atributos ou traços das pessoas mais íntimas que o cercam. Isso está de acordo com a morfologia da palavra “identifica”, que significa “tornar idem”, ou seja, “igual” ao seu modelo. A personalidade constitui-se e diferencia-se por uma série de identificações, havendo muitas formas de processar a identificação, como as que seguem:

  1. Com a figura amada e admirada – é a forma que estabelece as identificações mais sadias, estáveis e harmônicas;
  2. Com a figura idealizada – costuma ser frágil, custa ao sujeito o preço de um esvaziamento de suas capacidades e uma pequena tolerância às frustrações;
  3. Com a figura odiada – configura o que se conhece como “identificação com o agressor”;
  4. Com a figura perdida – é a base dos processos melancólicos;
  5. Com a figura atacada – o que, particularmente, o psicanalista  David Zimerman denomina como “identificação com a vítima”, e;
  6. Com os valores que foram impostos pelos pais e educadores em geral.

terapia2Em psicoterapia de orientação psicanalítica o sujeito é estimulado a estabelecer uma relação transferencial – por meio do vínculo terapêutico – para que essas identificações possam emergir a fim de transformar os comportamentos disfuncionais apreendidos e internalizados por ele. Essa transformação se dá através da interpretação desses conteúdos e das intervenções que o psicoterapeuta faz durante as sessões na tentativa de ajudar o sujeito a ressignificar (dar novos significados) à sua conflitiva (suas vivências e/ou seus traumas originados a partir do processo da identificação).

Dependendo da fase em que o sujeito se encontra no tratamento psicoterápico e do nível transferencial estabelecido – no vínculo terapêutico -, as identificações (citadas acima) poderão se fazer presentes e atuantes a ponto de mobilizar sentimentos e emoções que, se não forem devidamente interpretados (trabalhados), provavelmente as resistências se intensificarão a ponto do sujeito interromper ou tentar interromper seu tratamento.

Contudo, nem sempre a interrupção do tratamento se dá pela falta de interpretação correta do psicoterapeuta a respeito de tais conteúdos ou pela resistência do sujeito em admitir a presença destes (falta de enfrentamento com relação às emoções e sentimentos que se encontravam reprimidos ou suprimidos pelos mecanismos de defesa utilizados), mas, também, pela ausência do real desejo em tratar efetivamente suas “feridas emocionais” causadas pelo conflito manifestado.

Cabe destacar que são inúmeros os aspectos e conteúdos que se manifestam por meio do vínculo terapêutico num processo transferencial. A própria “simbiose”, é um exemplo, na tentativa de ser transferida (processo inconsciente do sujeito) para a relação terapêutica. Nesse caso, o que pode ilustrar bem a possível interrupção de um tratamento pelo sujeito é quando ele não encontra na figura do psicoterapeuta a “mãe” ou a função que sempre buscou por meio da figura materna, não conseguindo, portanto, estabelecer uma relação de dependência em seu tratamento. É quando ele “fracassa” na tentativa de se sentir totalmente protegido pela figura do terapeuta. Quando a própria interpretação desse “desejo” se faz, o sujeito, então, não suporta a frustração diante da impossibilidade de realização do seu desejo mais primitivo, ao contrário do que costuma fazer: persistir em contrair vínculos de natureza simbiótica. Assim, o sujeito interrompe seu tratamento, obviamente, “culpando” ou responsabilizando o psicoterapeuta pelo seu próprio fracasso. Nesse caso, o sujeito se recusa a encontrar no ambiente limites e frustrações que o fariam passar do princípio do prazer para o princípio da realidade.

Por isso é importante avaliar inicialmente tanto a psicopatologia apresentada quanto o nível de motivação do sujeito. A psicoterapia consiste, portanto, em ajudar no processo de transformação para que o sujeito ultrapasse os limites que o mantiveram aprisionados no processo da identificação, principalmente aqueles que contribuem para sua estagnação ou para a limitação de sua capacidade (de seu poder de realização).

Categorias: Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional

Segundo o autor David Zimerman, em seu livro Psicanálise em perguntas e respostas, verdades, mitos e tabus: “Excessivas idealizações ou distorções a respeito da psicanálise foram responsáveis pela formação de diversos mitos acerca da figura do psicanalista”. Portanto, justifica-se uma distinção entre psicanálise, psicoterapia e terapia analítica, além de se compreender melhor o papel desempenhado por psiquiatras, psicanalistas, psicólogos e psicoterapeutas. É exatamente este o objetivo: clarificar os papéis, as funções destes profissionais e suas possíveis linhas de trabalho, além de apresentar, nas próximas edições, as abordagens psicoterápicas (as mais atuais), podendo, contudo, estabelecer as diferenças no funcionamento de algumas estruturas psíquicas.

Assim, iniciamos esta sequencia de artigos podendo dizer que a PSICOTERAPIA tem uma finalidade mais restrita do que o tratamento psicanalítico (a análise). Sua finalidade é, por exemplo, resolver crises vitais e acidentais; remover sintomas agudos de quadros de transtornos mentais, como angústia, fobia, paranóia, etc., propiciar melhor adaptação na família, sociedade e trabalho; dar apoio com vistas a um melhor enfrentamento de situações difíceis. Habitualmente, as psicoterapias (tanto individual quanto grupal) são realizadas em uma média de duas sessões semanais, mas nada impede que possa ser uma sessão semanal, quinzenal ou até mesmo mensal. O tempo de duração de uma psicoterapia pode ser breve (por exemplo, “focal”, que visa à resolução de um foco específico de sofrimento) ou longa, que perdura enquanto estiverem, de fato, se processando melhoras na qualidade de vida da pessoa.

Já um TRATAMENTO PSICANALÍTICO (ANÁLISE) visa a um maior aprofundamento, isto é, vai além dos inequívocos benefícios terapêuticos acima mencionados, sendo que o maior objetivo de uma análise é conseguir mudanças da estrutura interior do psiquismo. Objetiva, portanto, realizar verdadeiras e permanentes mudanças caracterológicas, de sorte a melhorar a qualidade de vida para uma pessoa que, por exemplo, seja exageradamente obsessiva ou histérica, fóbica, depressiva, paranóide, psicossomatizadora, etc. Isso, na hipótese de que essa caracterologia, embora sem sintomas manifestos, de alguma forma possa estar prejudicando a si próprio e / ou aos demais, com sensíveis prejuízos e inibições nas capacidades afetivas, intelectuais, comunicativas, criativas e de lazer. Um tratamento psicanalítico habitualmente é processado com quatro (ou três) sessões semanais, comumente (mas não obrigatoriamente) com o paciente deitado no divã, e tem uma duração de vários anos.

O termo TERAPIA ANALÍTICA (ou psicoterapia de orientação psicanalítica) designa aquele tratamento em que há certa superposição de psicoterapia e psicanálise e cujo denominador comum consiste na utilização do “método analítico” que, fundamentalmente, consiste em um conjunto de conhecimentos teóricos e procedimentos técnicos que possibilitam um acesso ao inconsciente do paciente. Alguns autores e professores, no passado, estabeleciam enorme abismo entre psicoterapia e psicanálise. Na atualidade, o que se observa é uma redução de diferenças e uma superposição de semelhanças entre ambas.

Independentemente da abordagem terapêutica, da teoria e da técnica empregada, o mais importante é que a pessoa possa procurar os profissionais especializados e capacitados para realizar psicoterapia. Este pode ser o melhor caminho e o mais seguro em direção a superação das suas dificuldades.

Categorias: Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

Dia_da_Psicologia

Toda pessoa que procura ajuda médica e / ou psicológica tem o direito de tomar conhecimento da formação e da qualificação dos profissionais. Exatamente por isso, faz-se necessário um melhor esclarecimento quanto a formação e a capacitação destes:

Psicólogo: profissional formado por uma faculdade de Psicologia (curso de duração de cinco anos em média) que o habilita a exercer:

  1. Psicoterapia, em suas diversas modalidades.
  2. Psicologia Organizacional (em empresas).
  3. Aplicação de psicotestes, como um recurso de finalidades diagnósticas e de seleção de pessoal.
  4. Psicologia Escolar ou Educacional (nas escolas).
  5. Exercício da Psicanálise Clínica (desde que complemente sua formação básica de psicólogo com uma nova, exaustiva e específica formação de psicanalista, em alguma instituição reconhecida).

Psiquiatra: um médico pode candidatar-se a fazer uma formação psiquiátrica em alguma instituição reconhecida, onde ele fará um curso especial que tem uma duração média de quatro anos. Uma vez aprovado, ele estará em condições de exercer psicoterapias e de tratar “pacientes psiquiátricos” (como psicóticos hospitalizados, depressões graves, crises de pânico, drogaditos, etc.) com medicação psicotrópica. Caso o psiquiatra queira tornar-se um psicanalista, deverá ter o complemento de uma completa formação psicanalítica. Na atualidade um grande número de psiquiatras exerce uma “psiquiatria dinâmica”, mais voltada para tratar dos dinamismos dos transtornos psíquicos, enquanto outro expressivo número deles dedica-se prioritariamente à “psiquiatria biológica”, com o respectivo emprego da moderna psicofarmacologia e com um respaldo nos conhecimentos portados pelas neurociências.

Psicanalista: tanto um psiquiatra como um psicólogo que desejam tornar-se psicanalistas deverão procurar uma sociedade psicanalítica filiada a uma entidade internacional mater (IPA), submeter-se a uma seleção rigorosa e, na condição de “candidato”, a uma “análise didática” (duração média de 7 anos) concomitantemente com seminários teórico-técnicos, supervisões individuais e coletivas, apresentação de monografias, comparecimento a reuniões clínicas semanais, participação em jornadas e congressos, etc. Para a obtenção da condição de psicanalista, no mínimo é necessário que o candidato egresso do Instituto de Psicanálise submeta a uma assembléia a apresentação de um trabalho clínico com vistas a passar da condição de “candidato” para a de “membro associado”. Daí, se ele desejar, poderá ascender a outras posições prosseguindo em seus estudos. Assim, um psicanalista está habilitado a exercer a psicanálise clínica, com o uso do divã para os seus analisados, com um maior número de sessões semanais, tendo em vista o propósito de um acesso às regiões profundas do inconsciente que determinam os nossos traços de caráter, conflitos, sintomas, inibições, angústias e transtornos de psicopatologia.

Psicoterapeuta: é uma denominação mais genérica que designa a condição de um técnico especializado – psicólogo, psiquiatra ou psicanalista – exercer uma função de tratar algum paciente com alguma forma de psicoterapia fundamentada em princípios variados, conforme determinadas correntes que mereçam um crédito de idoneidade.

Categorias: Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

O fim do ano se próxima e com ele todas as nossas expectativas, projetos e investimentos passam por uma espécie de “retrospectiva”. Assim como assistimos aos programas televisivos que apresentam os principais acontecimentos do ano, também nos reportamos para o que construímos (ou não) neste período, através das nossas próprias escolhas e da forma como enfrentamos as situações que nos foram apresentadas.

É comum recebermos uma demanda maior de atendimentos nos Consultórios de Psicologia a partir do segundo semestre do ano. A demanda aumenta ainda mais quando nos aproximamos do Natal. As pessoas, de modo geral, se mostram mais estressadas, mais angustiadas e deprimidas. É a síndrome do fim do ano. Um acontecimento que se repete a cada ano.

Obviamente que precisamos fazer uma leitura apropriada dos fatores que interferem nesta mudança de humor que todos nós, em alguma ocasião e por alguma razão, podemos experimentar. Não cabe mais seguir restritamente o manual de descrição dos transtornos de humor (DSM IV) sem considerar o contexto histórico, social e familiar de cada pessoa. Saber diferenciar o que faz parte do momento que vivemos, das influências do meio e a forma como lidamos com as nossas expectativas, faz enorme diferença na hora de avaliar se estamos sofrendo o impacto desses agentes estressores, porém, conseguindo administrar as intempéries, ou se é hora de pedir ajuda de um profissional especializado para poder checar nossas reações frente a essa demanda.

99Em outras palavras, podemos ter, ao longo da nossa vida, momentos de tristeza e ansiedade, alternando com momentos de alegria e positividade. Contudo, se apresentarmos um humor deprimido ou perda de interesse ou prazer por quase todas as atividades que fazem parte da nossa rotina, podendo incluir características de irritabilidade constante por, pelo menos, duas semanas, estaremos vivenciando um “Episódio Depressivo Maior”. O Episódio Depressivo Maior é diferente do Transtorno Depressivo Maior, mas deve, sim, chamar a atenção da pessoa que o experimenta, procurando identificar os principais pontos ou fatores que contribuíram para este quadro. Toda pessoa que passa por, pelo menos, um episódio depressivo deve ficar atenta às possíveis causas que determinaram o surgimento desses sintomas. Isso porque a pessoa pode estar sinalizando uma tendência ao Transtorno Depressivo Maior. Sendo que este, por sua vez, é caracterizado por um ou mais Episódios Depressivos.

A saber, o Transtorno Depressivo Maior, o Transtorno Distímico e o Transtorno Depressivo sem outras especificações são denominações utilizadas para diagnosticar um distúrbio específico de humor que se caracteriza pela sintomatologia, produzindo prejuízos significativos na qualidade de vida e na rotina das pessoas. No caso do Transtorno Distímico, este é caracterizado por um humor cronicamente deprimido que ocorre na maior parte do dia, por pelo menos dois anos. É importante destacar que existe diferença entre o Transtorno Depressivo Maior, também identificado como “Depressão Unipolar” e o Transtorno de Humor Bipolar, comumente chamado de “Bipolaridade” ou “Transtorno Afetivo Bipolar”, sendo este último, anteriormente descrito e caracterizado.

Na dúvida, é sempre bom consultar o médico especialista ou o psicólogo em busca de um diagnóstico diferencial. Este pode ser feito com base na sintomatologia apresentada e no histórico do paciente.

Assim, o diagnóstico é realizado com base em entrevistas psiquiátricas e avaliações psicológicas, sendo que o tratamento para estes transtornos inclui, muitas vezes, a administração de medicamentos (específicos para cada caso) e a associação de psicoterapia visando auxiliar a pessoa na mudança de hábitos e comportamentos.

Categorias: Dica de Leitura, Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

42-15528410Nesta época, de fim de ano, a retrospectiva dos “melhores e piores” momentos vividos faz com que muitos entrem em contato com um sentimento de tristeza e pesar do que não foi conquistado durante o ano (as metas que não foram atingidas), levando, em alguns casos, a uma frustração que pode se tornar mais intensa e difícil de se lidar. A permanência neste estado de frustração pode levar a um sentimento de tristeza maior (ou melancolia) caracterizando, muitas vezes, um episódio depressivo na vida da pessoa. Este “estado de melancolia” pode surgir quando já não se consegue mais dar conta das emoções e dos sentimentos que acabam por paralisar as ações ou atrapalhar a rotina. É quando a rotina começa a pesar demais e aquilo que antes fazia parte do dia-a-dia, toma uma proporção maior e uma densidade tal que a pessoa sente-se incapaz de enfrentar.

O “espírito natalino”, muitas vezes, leva as pessoas a um mergulho ao passado, uma espécie de “resgate dos valores humanos” e de tudo aquilo que passa a ter um significado e um sentido maior em suas vidas. É normal, portanto, ficar mais sensível à época, pois ao “retornar à casa” , resgata-se um passado que representa a trajetória do sujeito: suas escolhas e o caminho trilhado até o momento. As lembranças tomam espaço em meio a rotina das pessoas, levando-as a experimentarem sentimentos que ainda estão presentes e que, nem sempre, são simples de serem recordados.

Porém, há uma boa notícia em meio a essa turbulência de emoções: o ser humano precisa conectar-se, entrar em contato com a sua essência, com tudo aquilo que o define “humano” e, mais, que faz com que ele se dê conta do que é, e não de como está. Esta é a principal diferença do momento depressivo ou da depressão situacional: as emoções natalinas poderão ajudar as pessoas a reencontrarem-se novamente, internamente, para depois compartilhar com o outro as suas verdadeiras conquistas, os seus verdadeiros achados.

Por tudo isso, cabe lembrar que apesar de nos “deprimirmos” um pouco no Natal, o Ano Novo logo chega para brindarmos quem verdadeiramente somos e tudo aquilo que ainda poderemos conquistar. Para alimentar a esperança em dias melhores, num futuro próximo que nos remeta ao recomeço, as novas possibilidades, a um novo caminho.

E para aqueles que, por ocasião, perceberem que as emoções ou o sentimento de tristeza maior (melancolia) começar a atrapalhar a rotina de forma expressiva, cabe salientar que o mais importante é reconhecer que é hora de pedir ajuda. Se não conseguir, por alguma razão, pedir ajuda diretamente ao profissional da área da saúde mental, que possa, então, solicitar este auxílio a um familiar ou amigo mais próximo para que este venha interceder, ajudando a pessoa a buscar um tratamento que traga não somente o alívio dos sintomas, mas a compreensão de suas possíveis causas. É enfrentando a realidade que a pessoa poderá ser ainda mais feliz.

Para encerrar o ano, escolhi uma mensagem de Fernando Pessoa e dedico a mesma para todos os leitores da minha coluna, parceiros e amigos nesta caminhada:

“Há tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.

Desejo a todos um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de realizações.

Categorias: Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida

narcisoSegundo o psicanalista David E. Zimerman, no livro Psicanálise em Perguntas e Respostas, Verdades, Mitos e Tabus, certo narcisismo faz parte da etapa evolutiva de todo ser humano podendo se prolongar ao longo de toda vida com características absolutamente normais e sadias, porquanto estão representando um bom nível de autoestima, uma expressão de a pessoa gostar de si mesma uma vaidade e um orgulho próprio pelo reconhecimento de seus valores e progressos reais. Em contrapartida, existe uma alta probabilidade de que as manifestações narcisistas fiquem tão exacerbadas que adquiram uma característica patológica, com transtornos no pensamento e na conduta, como retratam os seguintes aspectos:

Acentuado egocentrismo do sujeito: tudo e todos devem girar em torno do “seu umbigo”.

Dificuldades em ter consideração e amor pelas outras pessoas: o narcisista somente ama a quem o ama de forma incondicional.

O orgulho normal se transforma em arrogância e prepotência.

A tolerância à frustração é baixíssima.

No entanto, os transtornos narcisistas podem se manifestar por outra faceta: a de uma fragilidade tal que qualquer frustração deixa o sujeito aniquilado; a autoestima dele é altamente instável, de modo que oscila rapidamente de um polo para outro (sou o melhor ou sou o pior; sou o mais bonito ou sou o mais feio, etc.).

Em relação ao tratamento psicanalítico, com alguns pacientes, a análise fracassa porque o narcisismo exagerado os leva a provar que nem a análise e muito menos o analista conseguem algo com ele (na base do “comigo ninguém pode”). Entretanto, outros pacientes com transtorno narcisista de personalidade que têm uma parte de seu psiquismo disposta a fazer mudanças, às vezes, conseguem resultados analíticos altamente gratificantes.

A caracterização da personalidade narcisista, apresentada por David E. Zimerman nos auxilia a compreender melhor o perfil psicológico dessas pessoas e sua dinâmica de funcionamento, tanto para identificação de um possível quadro patológico quanto para o manejo com esses indivíduos que, muitas vezes, fazem parte do nosso convívio, seja no âmbito do trabalho, na família e/ou nas relações sociais.

Geralmente identificamos um narcisista quando este não aceita ser contrariado, demonstrando expressiva dificuldade para lidar com a diversidade de opiniões e com as diferentes escolhas que as pessoas podem fazer. Mostram-se muito aborrecidos quando um pensamento ou atitude contrária à deles se faz presente. Eles tentam mascarar sua dificuldade através de uma crença mística ou religião. Assim, os narcisistas encontram uma justificativa para o seu insucesso nas relações, normalmente projetando ou transferindo sua incapacidade para os outros. O exemplo: as outras pessoas é que fracassam em atender às suas expectativas. São, para o narcisista, de pouca inteligência ou de pouca confiabilidade.

O ponto fraco do narcisista é, portanto, a dificuldade em estabelecer vínculos reais, baseados numa relação que denominamos de mão dupla, onde a empatia se mostra presente numa postura de respeito e consideração ao outro. Assim, as relações para o narcisista normalmente se mostram superficiais, baseadas numa avenida de mão única, onde as principais manobras acontecem por meio do poder de manipulação e persuasão, ou pelo poder de coerção e intimidação. Se você pensar e agir diferentemente da vontade de um narcisista, prepare-se: será imediatamente descartado!

Para aqueles que convivem com pessoas narcisistas, a dificuldade está em preservar sua individualidade, seus interesses e motivações. Todo narcisista se mostra invasivo e dominador. E normalmente se relaciona com pessoas que possuem baixa autoestima (ou o contrário, dependendo da sua dinâmica psicológica) para poder exercer fascínio e domínio sobre elas. Muitos narcisistas apresentam uma atuação perversa na medida em que não pensam duas vezes se suas manobras poderão ferir ou magoar a pessoa “amada”.  Existe um único grande amor para o narcisista: o seu próprio espelho. E todo espelho que refletir outra imagem, que não a dele, será substituído com frieza e falta de pudor. Colocar-se no lugar do outro? Para o narcisista é algo que não condiz com a sua capacidade. Por isso muitos não se tratam, porque não se veem com nenhuma limitação e não percebem que essa autoestima exacerbada pode lhes trazer sério prejuízo. O que ocorre frequentemente é o fato daqueles que convivem com esta personalidade precisarem de ajuda psicológica para aprender a se preservar e a preservar o seu espaço, sem se deixar afetar negativamente por este funcionamento.

Categorias: Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Patricia Prigol, Psicologia Organizacional

« Posts anteriores