02022012122856stressHoje, recebi um e-mail, através do Linkedin, de uma das minhas de amigas, me convidando a participar de uma pesquisa que faz parte do seu trabalho de mestrado. O nome desta profissional é Sra. Vanessa Carneiro, segue abaixo conteúdo na íntegra deste e-mail, com o link para fazermos parte deste trabalho.

Auditores Externos que não são stressados, não precisam fazer parte desta pesquisa (brincadeira .. de mau gosto).

Boa tarde Hélio, tudo bem?

Desculpe se te incomodo, mas é que preciso muito de sua ajuda. Sou Gerente de Auditoria Interna da Fiat Industrial, e estou na fase final para conclusão da minha pesquisa no Mestrado. Para isso, gostaria de poder contar com a sua valiosa colaboração em responder o questionário abaixo.

O tema da minha pesquisa será “Qualidade de Vida no Trabalho dos Auditores Internos e Externos”. O questionário é totalmente anônimo e nenhuma pessoa terá acesso às suas respostas. O intuito da pesquisa não será o de comparar auditores de uma empresa com auditores de outra empresa e sim avaliar o nível de qualidade de vida no trabalho e estresse, percebido pelas duas categorias profissionais.

Abaixo o link para pesquisa:

http://www.EnqueteFacil.com/RespWeb/Qn.aspx?EID=1195590

O tempo estimado para conclusão do questionário é de 20 minutos.

Gostaria ainda de solicitar que se possível, encaminhe esse e.mail aos seus contatos auditores, para que possa obter o maior numero de respostas possíveis. Recebi um numero de respostas consideráveis para os auditores internos, quanto ainda preciso de um numero maior de auditores externos.

Esse questionário somente deve ser preenchido por pessoas que estejam exercendo atividades de auditoria interna ou externa, independente do nível hierárquico.
O prazo que possuo para concluir esta pesquisa é dia 13/06/2012, portanto se puder responder antes dessa data, será de muita valia.

Agradeço imensamente sua ajuda, e se puder me enviar um e.mail quando tiver terminado de responder a pesquisa agradeço muito também.

Abs,

Vanessa Carneiro

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Formação de Auditores Internos, ISO 19011, Momento de Reflexão, Organismos Certificadores, Posts de Hélio Rocha, Qualidade de Vida, Voluntariado

desafio1Valores e Atitudes são dois fatores que fazem parte do nosso dia-a-dia. São oso nossos valores que condicionam as nossas atitudes que diariamente demonstramos em nossas ações, fruto das escolhas que fazemos. Basicamente, valores e atitudes refletem aquilo que somos!
Partindo deste princípio, podemos então estabelecer que as nossas atitudes expressam os nossos valores! Isto, seguindo o principio da coerência.
•    Valores
Chamamos valores às nossas convicções, às nossas crenças, aquilo em que acreditamos. São as crenças que norteiam o nosso desempenho, aquilo que fazemos e a forma como fazemos.
•    Atitudes
As atitudes são as ações. É tudo aquilo que exteriorizamos através do que fazemos.
Todos nós estabelecemos a nossa forma de trabalho por valores que orientam e moldam a nossa visão  e, por princípio, deverão refletir em nossas atitudes, mas nem sempre é assim! Acontece por vezes (ou por várias vezes), VALORES e ATITUDES não se encontrarem! Percebemos isso quando temos a impressão que o que estamos realizando, ou como estamos fazendo, nos deixa inseguros, desconfortáveis ou pouco à vontade quando observados por outros, ou quando nos vemos na contingência de explicar as nossas opções.
O problema surge quando percebemos que esse valor, ao contrário do que seria desejável, não possui força suficiente para se traduzir em atitudes, nas nossas ações. No nosso trabalho esta incoerência traduz-se nas nossas opções, estratégias, atividades que propomos, na priorização dos nossos objetivos ou orientação que damos ao rumo que estabelecemos. Nesse caso, os nossos valores não se conectam nas nossas atitudes. Preste atenção! Pergunte-se e reflicta:
No seu dia-a-dia, valores e atitudes estão em sintonia?
Feliz 2012!
Fico à disposição de vocês!
Gislaine Argelim Barbosa
Email: gislaine@simplessolucoes.com.br

Categorias: 4-Gestão de Pessoas, Gestão por Competências, Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Gislaine Angelim Barbosa, Psicologia Organizacional, Voluntariado

Realmente o dia 14 de dezembro, em Porto Alegre / RS, será um dia de desenvolvermos as nossas competências no que se referem a Sistemas de Gestões Integrados, pois neste dia o BSI Brasil Sistemas de Gestão estará promovendo dois eventos gratuitos nos turnos da manha e tarde:

  • Benefícios de um Sistema de Gestão Integrado e seus principais aspectos (clique aqui e acesse as informações no post anteriormente publicado), e;
  • Benefícios de um Sistema de Gestão Ambiental e de Saúde e Segurança Ocupacional.

A programação deste segundo evento, será realizada no turno da manha, onde teremos a oportunidade de assistir e trocar experiências com o Sr. Emerson Luis Sussai, com mais de 10 anos de experiência na implantação e auditorias de Sistemas de Gestão Integrados, Especialista em Gestão da Qualidade em Produtos e Processos, Analista de Sistemas e Instrutor da BSI para cursos de formação de auditores líderes ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001.

Também teremos a oportunidade de conhecer o case de sucesso da São Carlos Equipamentos e Peças, através do Sr. Wagner Hullen, Coordenador da Qualidade desta organização.

Segue abaixo a programação do evento que será realizado no turno da manha, sendo que a programação do evento que será realizado à tarde pode ser visualizada clicando aqui!

Reserve sua presença, clicando neste link.

Sem título

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Dica de Aprendizado, Gestão Ambiental, ISO 9001, Nossas Alianças Estratégicas, Organismos Certificadores, Posts de Hélio Rocha, Voluntariado

Recebemos, hoje, uma release de uma reportagem da Planeta Voluntários, a maior rede social de voluntários e ONGs do Brasil.

E se o nosso planeta Terra fosse reduzido a uma cidade pequena com 100 habitantes, qual seria a nossa posição neste pequeno mundo?

Fizemos questão de representar as distribuições em formato de gráficos com a finalidade de estimular a nossa consciência social para esta realidade em menor escala.

grafico 0grafico 1

Poderíamos refletir que:

  • Quando olha para o mundo nessa perspectiva, consegue perceber a real necessidade de solidariedade, compreensão e educação?
  • Esta manhã, se acordar com saúde, então é mais feliz do que 1 milhão de pessoas que não vão sobreviver até ao final da próxima semana.
  • Se nunca sofrer os efeitos da guerra, a solidão de uma cela, a agonia da tortura, ou fome, então é mais feliz do que outros 500 milhões de pessoas do mundo.
  • Se pode entrar numa igreja (ou Mesquita) sem medo de ser preso ou morto, é mais feliz do que outros 3 milhões de pessoas do mundo.
  • Se tem comida na geladeira, tem sapatos e roupa, tem uma cama e teto, é mais rico do que 75% das outras pessoas do mundo.
  • Se tem uma conta bancária, dinheiro na carteira e algumas moedas num moedeiro, pertence ao pequeno grupo de 8% de pessoas do mundo que estão bem na vida.

I-467-0250Se está lendo esta mensagem, é triplamente abençoado, pois:

  • Alguém lembrou-se de você.
  • Não faz parte do grupo de 780 milhões de pessoas que não sabem ler.
  • E tem um computador!
Categorias: Blogosfera, Dica de "Website", Momento de Reflexão, Posts de Hélio Rocha, Sustentabilidade, Voluntariado

voluntariadoAs organizações como as escolas, clubes, agremiações, associações e/ou organismos voltados a serviços assistenciais e afins, tem apresentado certo grau de dificuldade em escolher seus dirigentes pelos mais variados motivos. Ou seja, as pessoas têm relutância em aceitar cargos não remunerados para compor uma diretoria constituída de fato e de direito.

Há os mais variados tipos de explicações fundamentadas e procedentes pela não-aceitação.

Será que há uma exaustão natural das muitas atribuições aos “mesmos” ou há falta de lideranças preparadas em assumir? De fato, a resposta de ambos os casos, é no mínimo instigante para a reflexão. E, nos parece que este processo tem a tendência de se agravar. Assim, como há dificuldades em comprometer-se, há também a constatação de que é muito fácil abandonar situações pela falta de capacidade de enfrentar desafios e momentos de superação.

Historicamente, o ser humano vive em crise. Por exemplo, a crise existencial é superada na maturidade da vida, mas até dar-se conta disso, passou-se por provações, desafios e enfrentamentos para superá-los. Organizações são feitas de pessoas, organismos vivos com o único objetivo de manter-se de pé, para servir a aqueles de quem necessitar usufruir pela necessidade de viver em comunidade. O cargo não é para a “pessoa”, mas a serviço de um bem maior, sem a necessidade de gerar qualquer tipo de interesse.

E como diz o dito popular: Vão-se os anéis, ficam os dedos!  Portanto, se cada um der um pouco de si, muito se fará!          

Até o próximo sábado!

Maria de Lourdes Fontanadudyfonttana@brturbo.com.br

Categorias: Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Maria de Lurdes Fontana, Voluntariado
Nenhum comentário 28/02/2010 | Por: Maria de Lurdes Fontana
Caridade

caridadeCaridade é simplesmente ajudar os outros, mas com amor.

É o principio comum em todas as religiões do mundo. A diferença é a compreensão do que seja “ajudar” dentro do contexto do qual estamos inseridos.

Para os países pobres, caridade é dar o mínimo necessário para a subsistência. E há quem testemunhe que não há o suficiente para todos, principalmente comida.

Na maioria dos países ricos cabe ao governo e as entidades civis constituídas proverem o alimento, a casa, a saúde. Mas nos últimos anos tem-se visto que não há mais tanta distinção entre os países.

O agravamento da crise é reconhecido também nos países mais desenvolvidos. Especialistas dizem que há crise financeira e consequentemente o aumento da pobreza. Quem diria a Europa sentindo os reflexos desta crise e muitos sem trabalho, sem teto e sem previdência. Mas esquecendo um pouco o lado material, percebe-se que não há partilhas proporcionais entre os humanos. E isso, além de achar que é normal, enrubesce e torna as pessoas mais isoladas, sem condições de fazer caridade.

São Paulo, apóstolo, em uma das suas cartas escreve: “E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.”

E ainda, a caridade perfeita é aquela que poderei alcançar a alegria de dar sem esperar retribuir. A caridade e o amor são acima de tudo reconhecer que nada somos sozinhos e que embora muitos, infelizmente vivemos na solidão.

Até o próximo sábado!

Maria de Lourdes Fontanadudyfonttana@brturbo.com.br

Categorias: Momento de Reflexão, Nossas Alianças Estratégicas, Posts de Maria de Lurdes Fontana, Simplicidade Voluntária, Voluntariado

1754357.total_de_mortos_pelas_chuvas_no_rs_sobe_para_seis_300_420Diante das tragédias que estão assolando todos os estados do Brasil, recebi uma notícia acalentadora, ou seja, existe a possibilidade de que o Governo Federal utilize os recursos do Minha Casa, Minha Vida para construir casas para os desabrigados de Angra dos Reis. Maiores detalhes vide a notícia na integra através deste link.

Categorias: 3-Gestão pela Qualidade, Minha Casa, Minha Vida, PBQP-H, Posts de Hélio Rocha, Voluntariado

Na sexta-feira passada recebi através de um e-mail da nossa amiga Emilene Brum Garske, um texto muito lindo, escrito pelo jornalista, comentarista e escritor David Coimbra. O texto conta uma história verdadeira que aconteceu no ano passado, no mês de setembro de 2008. Um verdadeiro exemplo de que o principal valor que podemos deixar para os nossos filhos é a ética em nossas atitudes, ou seja, o exemplo das nossas atitudes. O que adianta sermos ricos materialmente, se não deixarmos uma herança de valores para os nossos filhos.

Abaixo, segue na íntegra o texto:

Ontem saí de casa mais cedo do que o normal e a temperatura era amena de primavera e o dia estava amarelo e azul e do som do meu carro se evolava o rock suave da Itapema e eu me sentia realmente bem. Estacionei numa rua quase bucólica do Menino Deus e vi que ali perto um catador de papel puxava sua carrocinha sem pressa.

Era magro e alto, devia andar nas franjas dos 50 anos e tinha a pele luzidia de tão negra. Ao seu lado saltitava um menino de, calculei, uns quatro anos de idade, talvez menos. Devia ser o filho dele, porque o observava com um olhar quente de admiração, como se aquele homem fosse o seu herói. Bem. Ao menos foi o que julguei, certeza não podia ter.

Já ia me afastar quando, por entre as grades da cerca de uma creche próxima, voou um brinquedo de plástico. Um desses robôs cheios de luzes e vozes, que se transformam em nave espacial e prédio de apartamentos, adorado pelas crianças de hoje em dia. Algum garoto devia ter atirado o brinquedo para cima por engano, ou fora uma gracinha sem graça de um amigo.

O menino que era dono do brinquedo colou o rosto na grade como se fosse um presidiário, angustiado. O filho do catador de papel correu até a calçada, colheu o robô do chão e não vacilou um segundo: retornou faceiro para junto do pai, o brinquedo na mão, feito um troféu. Olhei para o menino atrás da cerca. Estranhamente, ele não falou nada, não gritou, nem reclamou. Ficou apenas olhando seu brinquedo se afastar na mão do outro, os olhos muito arregalados, a boca aberta de aflição.

Muito orgulhoso, o filhinho do catador de papéis mostrou o brinquedo ao pai. O pai olhou. E fez parar a carrocinha. Largou-a encostada ao meio-fio. Levou a mão calosa à cabeça do filho. E se agachou até que os olhos de ambos ficassem no mesmo nível.

A essa altura, eu, estacado no canteiro da rua, não conseguia me mover. Queria ver o desfecho da cena. O pai começou a falar com o menino. Falava devagar, com o olhar grave, mas não parecia nervoso. Explicava algo com paciência e seriedade. O menino abaixou a cabeça, envergonhado, e o pai ergueu-lhe o queixo com os nós do dedo indicador. Falou mais uma ou duas frases, até que o filho balançou a cabeça em concordância.

A seguir, o menino saiu correndo em direção à creche. Parou na grade, em frente ao outro garoto. Esticou o braço. E, em silêncio, devolveu-lhe o brinquedo. Voltou correndo para o pai, que lhe enviou um sorriso e levantou a carrocinha outra vez. Seguiram em frente, o pai forcejando, o filho ao lado, agora não saltitante, mas pensativo, concentrado.

Então, tive certeza: aquele olhar com que o menino observara o pai era mesmo de admiração, ele era de fato o seu herói.

* Texto publicado no dia 26/09/2008 na página 3 de Zero Hora

Categorias: Dica de Leitura, Momento de Reflexão, Posts de Hélio Rocha, Qualidade de Vida, Simplicidade Voluntária, Voluntariado
Nenhum comentário 27/11/2009 | Por: Hélio Rocha
Seja um Papai Noel neste ano!

Natal_CorreiosVocê já ouviu falar no Projeto “Papai Noel dos Correios”? Todo ano os Correios desenvolvem uma ação junto a 28 diretorias regionais (em todo Brasil) que visa a “adoção” de cartas de crianças carentes que escrevem para o Papai Noel pedindo presentes.

Qualquer pessoa comum pode ir até os locais em sua cidade onde as cartinhas estão, adotando uma carta, comprando o presentinho… Depois é só levar aos Correios e ele entrega gratuitamente. Essa não é a única forma de colaborar! Os Correios também aceitam ajuda na triagem das cartas.

No ano passado eu vi pedidos curiosos (para não dizer singelos / humildes), como lençóis, material escolar, pedido de emprego para o pai, arroz, comida, cesta básica, um bolo de aniversário!

noticia_papai_noel_correios_02papai_noel_correiospapai_noel_correios3

Essa situação, me fez lembrar uma atitude que meus pais faziam quando eu ainda nem existia, os meus pais iam a um orfanato e convidavam uma criança para passar o Natal na casa deles! Pequenos gestos … que ficam gravados para sempre na memória de uma criança e fazem com que o significado do Natal seja o verdadeiro … dar um “presente especial” para o verdadeiro aniversariante … o Menino Jesus!

Você vai se perguntar, mas só no Natal? Ou vai dizer: ajuda é só no Natal? É muito fácil uma pessoa que não tem nenhum tipo de privação fazer esse tipo de questionamento. Imagine não ter nada nem no Natal? Muitos canais de “ajuda” ocorrem nessa época do ano mesmo e essas pessoas precisam recorrer a esses e criar oportunidades, ainda que seja assistencialista. Aliás, antes de questionar algum projeto, pergunte-se o que você tem feito pelo mundo? Por outras pessoas? Cada pessoa pode procurar vários canais que realizam trabalhos sociais durante todo o ano com vários tipos de pessoa, não só no Natal. Então, antes de alguém encher o saco, trabalhe em algo social ativamente ao invés de ficar sentado, questionando e esperando que as coisas aconteçam! Atitude! A responsabilidade é de todos! O projeto mesmo sendo pontual é muito bacana!

Maiores informações acessem o link do projeto, clique aqui!

No Rio Grande do Sul, podemos buscar maiores informações através dos seguinte telefones: (51) 3220-8461 / 3220-8798 / 3221-7272 /9282-3200. Em outros estados da federação, clique neste link.

Categorias: Momento de Reflexão, Posts de Hélio Rocha, Simplicidade Voluntária, Voluntariado

trabalhovoluntarioEm 2001 a ONU instituiu o Ano Internacional do Voluntariado, o que fez com que o trabalho voluntário despertasse a atenção de profissionais, empresas e consumidores à responsabilidade social.

Pesquisas como as feitas pelo Instituto Ethos e pelo Jornal Valor Econômico revelam que uma parte dos consumidores – 22% – já optaram ou deixaram de optar por empresas (ou produtos) em razão da sua responsabilidade social.

Na União Européia, em 2009, um novo modelo de currículo vitae foi lançado, no qual o trabalho voluntário o integra, para que assim as características pessoais do candidato sejam avaliadas – capacidade de entrega a uma causa, domínio de línguas estrangeiras, dinâmica e mobilidade, por exemplo.

No Brasil, a importância dado ao trabalho voluntário realizado pelo candidato a uma vaga varia de acordo com a cultura da empresa, ou seja, esse item é avaliado positivamente por empresa que consideram esses valores.

Apesar dos bons olhos sobre o voluntariado, a prática desse tipo de trabalho ainda não é considerada um fator de desempate entre candidatos, podendo até chamar a atenção do empregador, mas não sendo um item decisivo.

Ainda que não seja um critério de seleção, a prática voluntária traz benefícios ao candidato e pode contar como experiência profissional. Algumas empresas já incentivam internamente esse tipo de atividade entre os funcionários e são essas que têm possibilidade de dar maior peso para a prática no processo seletivo.

Com essa nova perspectiva, além do cumprimento com a responsabilidade, o voluntário pode ser “melhor visto” em entrevistas de seleção e ser beneficiado como aluno enriquecendo seu currículo, já que algumas Faculdades as atividades voluntárias desenvolvidas por pelo menos seis meses geram um certificado e podem contar como horas de estágio, obrigatório para alguns cursos de graduação, como é o que acontece na Faculdade Privada de Salvador, na Bahia, onde os alunos dão aulas gratuitas a jovens carentes da uma comunidade na capital baiana.

Categorias: 1-Gestão Estratégica, 4-Gestão de Pessoas, Gestão de Carreira, Momento de Reflexão, Planejamento Pessoal / Profissional, Posts de Hélio Rocha, Voluntariado

« Posts anteriores